Artigos

Estudo mostra que álcool reduz cérebro  Artigos sobre drogas e alcool - Site Antidrogas


IG
Estudo desenvolvido pelo neurocientista norte-americano Peter Thanos revela que o consumo elevado de álcool pode encolher algumas regiões do cérebro.

Divulgado no jornal Alcoholism: Clinical and Experimental Research, o trabalho se apoiou em imagens de ressonância magnética de camundongos para melhor entender o papel da variabilidade genética nos danos cerebrais provocados pelo alcoolismo e apontar caminhos e estratégias mais eficazes de prevenção e tratamento, já que esse padrão de dano cerebral imita um aspecto único da patologia observada em alcoólatras humanos.

Na opinião da radiologista Flavia Cevasco, do Centro de Diagnósticos Brasil (CDB), em São Paulo, a ressonância magnética tem condições de diagnosticar vários tipos de lesões causadas pelo álcool no cérebro dos indivíduos, sendo algumas reversíveis e outras permanentes.

“O consumo crônico de álcool resulta na redução e atrofia de partes específicas do cérebro que podem levar à alteração do equilíbrio e marcha, dificuldade de raciocínio, cálculo e memória, muitas vezes progressivos e irreversíveis, além de quadros graves que evoluem para coma e morte se não forem tratados com rapidez e eficiência.”

De acordo com a médica, alguns desses sintomas são encontrados na Síndrome de Wernicke-Korsakoff (neuropatia relacionada à carência de vitamina B1), com achados específicos na ressonância magnética que permitem o diagnóstico e tratamento rápido e eficaz.

As regiões do cérebro mais afetadas pelo consumo excessivo de álcool são responsáveis por alterações na memória, comportamento, déficit cognitivo, dificuldade para articular palavras e movimentos.

As imagens de ressonância magnética obtidas no estudo norte-americano mostram que os camundongos submetidos ao consumo diário de uma solução com 20% de álcool durante seis meses sofreram atrofia do cérebro, de modo geral, e um encolhimento específico do córtex cerebral naqueles indivíduos com falta de receptor de dopamina D2.

Já no Brasil, levantamento realizado pelo Inpad (Instituto Nacional de Políticas Públicas do Álcool e Outras Drogas) revela que mulheres jovens formam um grupo de risco preocupante.

Entre 2006 e 2012, enquanto o percentual de homens que bebem bastante e em curto espaço de tempo aumentou 29,4%, entre as mulheres essa taxa foi de 36%.

Em números globais, metade da população é abstêmia, 32% bebem moderadamente e 16% consomem quantidades nocivas de álcool – o que representa um grande desafio em detrimento dos danos sociais, físicos e emocionais.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)







Publicidade









Apoio

Mauricar
Dando mais saúde à vida de seu veículo



Copiadora Campos
Art & Design

Toldos Campos
Toldos - Paineis - Adesivos