Notícias

Maconha: a cada dez que experimentam, um vicia  Notícias sobre drogas e alcool - Site Antidrogas

Agência Estado
06:03 27/06
Por Daniela Tófoli

Os pais cresceram nos anos do paz-e-amor, vivendo a era hippie e acreditando que a maconha não era aquele veneno que diziam. Corações e mentes mais abertos começam a descobrir que a droga "light" não é tão inofensiva assim. Que seus filhos podem se tornar viciados e que, despreparados, eles não sabem nem por onde começar a ajudá-los. Para a maioria, é exagero procurar orientação especializada ao descobrir que um filho fuma maconha. Mas não deveria ser.

Um em cada dez jovens que experimentam a droga vai se tornar dependente e não conseguirá deixar o vício sozinho. Precisará de ajuda médica, de apoio familiar e de muita força de vontade, porque largar a maconha pode ser muito mais complicado do que deixar a cocaína ou o crack. As crises de abstinência são reais, fortes e não há remédio capaz de controlá-las.

É o que o ex-goleiro Edson Cholby do Nascimento, o Edinho, filho do Rei Pelé, preso pela acusação de associação com o tráfico de drogas, diz ter acontecido com ele. E, verdade ou desculpa para escapar de uma pena mais severa, o fato é que essa droga "light" é mais poderosa do que se costuma acreditar.

Famílias de usuários de cocaína ou crack não hesitam em buscar ajuda assim que descobrem que o filho consome a droga. Pais de jovens que fumam maconha costumam ser bem mais tolerantes. Acreditam que o vício passará com o tempo. Em parte, é verdade. Mas há um bom número de usuários que nunca conseguirá deixar de acender um baseado. E com anos e anos de uso começará a sentir os efeitos da maconha: a falta de memória, de concentração, a dificuldade em se fixar em um emprego e em construir relacionamentos.

Acostumada a ouvir histórias de todos os tipos, a chefe do Ambulatório da Maconha da Unifesp, Neide Zanelatto, sabe que pais e filhos demoram a perceber os males da maconha. "Um pai consciente se desespera ao saber que o filho usa a droga. Mas, por achar que ela é leve, não procura ajuda especializada em um primeiro momento." Os pais, diz, se sentem culpados, acham que falharam e relutam em pedir socorro. Tanto é que a maioria dos pacientes do ambulatório chega sozinha, não vai acompanhada pela família.

A primeira reação dos pais costuma ser a de desespero. "Mas de nada adianta ficar dando sermão. Muito menos ignorar, fingir que o problema não está acontecendo dentro da sua casa", diz Neide. "O pai tem de tentar conversar com o filho e escutá-lo, além de buscar informação para poder falar de igual para igual com ele. Tem de saber argumentar para convencer e buscar ajuda porque a maconha não é nem um pouco inofensiva."

"Um pai só descobre que o filho fuma um baseado quando seu uso passa a ser mais freqüente", afirma o coordenador do Grupo de Estudos de Álcool e Drogas do Hospital das Clínicas, André Malbergier. O que quer dizer que ele pode estar perdendo o controle sobre a droga. "Mas é preciso avaliar todo o contexto. No nosso grupo, só tratamos aqueles que têm sua vida prejudicada por causa da droga. Se ele usa maconha, mas segue uma rotina normal, vai bem na escola e no emprego, fazemos apenas um acompanhamento."

Parte do tratamento é fazer com que o jovem perceba que pode se sociabilizar sem a droga. "A maconha se tornou um importante instrumento de agregação entre os jovens. Assim como tem a turma dos nerds ou das patricinhas, tem a dos usuários e essa é a turma que aceita tudo e todos." Como 95% dos que usam maconha são do sexo masculino e começaram a consumi-la por volta dos 15 anos, os pais precisam estar atentos aos amigos e às reações do adolescente, diz Malbergier. "E precisa ter coragem para tomar decisões."

Muitas famílias, conta, estão permitindo o uso da maconha em casa porque acreditam que seja mais seguro. Não querem ver o filho pego pela polícia. "Mas esse é um discurso muito complicado. Pai tem a obrigação de colocar limite, de explicar por que a droga faz mal e de tentar que o filho procure ajuda. Ainda que ele use apenas maconha."

As perguntas mais freqüentes:

A maconha é uma porta de entrada para outras drogas?
Ela pode ser. Um usuário de maconha tem 60% mais chances de se tornar dependente da cocaína, por exemplo, do que os que nunca usaram nenhuma droga.



Maconha vicia?
Sim. De cada 10 pessoas que apenas experimentam a erva, causa dependência em 1. Também provoca síndrome de abstinência se o viciado passa um tempo sem usá-la.



Por que os jovens gostam tanto de usar a droga?
Por causa da sensação de relaxamento que ela causa. A adolescência é um período de grande pressão e os jovens acabam usando a maconha como uma válvula de escape.



Qual o principal problema que ela causa?
A perda da capacidade cognitiva. O usuário começa a ter problemas de concentração, de memória e dificuldades motoras. Em alguns casos, pode aparecer depressão ou síndrome do pânico.


Como tratar um viciado em maconha?
Com ajuda médica. É feito um trabalho multidisciplinar, de preferência com a participação da família, para que o usuário mude seu estilo de vida e consiga vencer a abstinência. Não há remédios para combater o vício.


"É difícil tomar uma atitude em relação ao filho"

"Há quatro anos, quando nosso filho tinha 18, descobrimos que ele usava maconha. Foi um choque. Ele esqueceu um pouco da droga na pia do banheiro e a casa caiu. Senti uma mistura de decepção com raiva, além de muita culpa.

A primeira conversa não foi conversa, foi briga mesmo, das feias. A gente discutiu, acabou se agredindo. Na verdade, nunca conseguimos conversar direito sobre o assunto. Até hoje não sabemos desde quando ele fuma maconha.

Com a descoberta, ficamos mais atentos ao comportamento e às reações dele. Antes, a gente não se preocupava, não prestava muita atenção a tudo que fazia. Começamos a ficar em pânico quando ele saía, com quem saía, e onde ia. Se voltava tarde demais, ficávamos desesperados.

Mas foi só quando abandonou a escola e largou o trabalho que resolvemos procurar ajuda médica. Ele estava agressivo demais e ainda está sendo muito difícil convencê-lo a freqüentar o ambulatório.

A gente nunca imagina que vai precisar de um grupo de ajuda, mas hoje sei, e aconselho, que as famílias busquem auxílio se descobrirem que o filho usa maconha, que tenham paciência e muito amor. Encontrei o ambulatório assistindo a uma entrevista na televisão. Me informei e resolvi que não dava para resolver o problema sozinha.

Passamos a fazer o tratamento. Com o auxílio dos médicos, conseguimos entender melhor o que estava acontecendo com nosso filho. Acho que mudamos nossa visão de viciado. A gente nem gosta mais de usar essa palavra.

Estamos caminhando juntos. É muito difícil colocar em prática tudo o que aprendemos. É difícil tomar uma atitude em relação ao filho. Vou te falar a verdade: participo de grupos, ajudo outras famílias que passam pela mesma situação que a minha e não consigo resolver o meu problema.

A gente queria que tudo ficasse resolvido logo, porque tem gente que discrimina mesmo. Existe muito preconceito. Falam que tanto o pai quanto a mãe não deram atenção para o filho, e aí aconteceu. Até parece que é simples assim..."

* Silvia (nome fictício) tem 45 anos e seu filho, 22. Eles procuraram o Ambulatório da Maconha da Unifesp no início deste ano

Sinais de que seu filho pode ser dependente

- o rendimento escolar cai sem causa aparente

- ele esquece alguns fatos mais recentes

- ele começa a ter dificuldade para se concentrar

- seus olhos vivem avermelhados

- ele passa a se vestir de forma desleixada

- a turma de amigos muda e ele evita apresentá-la

- seu apetite aumenta

- ele tem mais sonolência

- seu humor muda muito

- ele passa a ficar ansioso ou deprimido sem motivos
Fonte:Último Segundo




Publicidade






Apoio





Mauricar
Dando mais saúde à vida de seu veículo