Notícias

Atalho para fim precoce  Notícias sobre drogas e alcool - Site Antidrogas


A briga que envolveu o atacante Adriano e sua noiva fez com que jogador buscasse refúgio no álcool outra vez, segundo o vice de futebol do Flamengo, Marcos Braz. O problema particular do Imperador trouxe à tona novamente a combinação explosiva entre álcool e futebol, e exemplos não faltam de atletas que tiveram a carreira prejudicada. Garrincha morreu com problemas no fígado em 1983. O meia argentino Ortega, 36, teve uma recaída semana passada e foi afastado do River Plate.

Ex-ponta-direita do Bangu, do Botafogo e da seleção brasileira na Copa de 1986, Marinho passou do céu ao inferno ao se entregar à bebida depois de perder o filho e ser abandonado pela mulher. Hoje, aos 52 anos, o auxiliar técnico do time de Moça Bonita deu a volta por cima e aconselha jovens como Adriano. “Não pode se entregar, ele está no auge. Quando caí na real, vi que não era nada daquilo. A gente pensa que a mulher está errada, mas sempre estão certas”, ensina o pai de oito filhos.

O médico Carlos Salgado, presidente da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e Outras Drogas, afirma que o modelo de sucesso que mistura esporte e bebida é empurrado pela publicidade. “Vende-se aquilo como produto de sucesso, bem-estar, mas na verdade não é”, analisa o especialista. “A tristeza causada pela briga com a namorada ou por um jogo ruim pode levar à procura do álcool como alívio”, lembra.

Coordenador do Programa de Álcool e Drogas da UFRJ, o médico José Mauro Braz salienta que beber faz parte da nossa cultura, mas o consumo deve ser moderado. “A Organização Mundial da Saúde admite uma dose diária, em uma refeição. Os perigos vêm em situação de abuso”, explica.

Marinho lembra que no pico da crise bebia diariamente, das 15h às 23h. “Perdi amigos. Quando chegava, eles saíam. Hoje posso falar com meu filho se ele está errado porque sou digno”.

Agressividade é outra consequência comum, mas, no caso de Adriano, José Mauro cita outro fator: riqueza súbita. “Saiu de nível de vida simples, foi jogar em ambiente glamouroso na Itália, desequilibra. Certo é buscar tratamento”, aconselha.
Fonte:O Dia/ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)







Publicidade









Apoio

Copiadora Campos
Art & Design

Toldos Campos
Toldos - Paineis - Adesivos





Mauricar
Dando mais saúde à vida de seu veículo