Notícias

Sobreviventes do crack  Notícias sobre drogas e alcool - Site Antidrogas


Elas contam como é enfrentar a droga devastadora para o sexo feminino.

Maria Eugenia agora é Mel e saboreia a maternidade

Foto: Edu Cesar/Fotoarena


Uma pedra que escraviza, destrói a vaidade e leva embora até mesmo o instinto materno, tem cruzado a vida das mulheres brasileiras.


O crack, droga que saiu da marginalidade das ruas paulistanas e bateu à porta da classe média de todo Brasil, consegue ser ainda mais devastador no sexo feminino. Quem atesta são as raras sobreviventes da combustão do cachimbo. O Delas foi ouvi-las e encontrou jovens, ainda com sonhos de meninas, que diariamente brigam com a sedução do vício.

“Foi o meu primeiro amor”, confirma Maria Eugênia Lara, 31 anos, usuária por 16, mãe de três filhos, todos gerados na “fissura”.

A pedra foi a primeira mas, com muito esforço e tratamento, não foi a última paixão da vida de Maria Eugênia. Neste domingo, dia 18, ela completa “um ano limpa”, sem dar uma única pitada no crack. O hábito já foi tão enraizado em sua rotina que intercalava o café da manhã, almoço, jantar, banho, sono. Ela não estudou, não trabalhou, não sonhou. Pariu, é fato. Mas só agora consegue sentir de forma plena o amor de mãe.

“O vazio que a droga deixou dentro de mim nunca será preenchido. Mas é uma felicidade imensa ter todas as outras áreas do meu coração agora ocupadas pelo amor próprio, pelo amor da minha família, dos meus filhos e pela vontade de ter uma carreira”, conta ela que, não faz muito tempo, ouviu o caçula dos três a chamar de mãe pela primeira vez.

Ela o rejeitou durante meses. Dizia querer entregar o mais novo para alguma vizinha, por encará-lo como “a representação da destruição do crack”. O menino nasceu quando Maria Eugênia estava no fundo do poço. “Chorei por horas quando ele me olhou limpa e me reconheceu como mãe”.

Ao mesmo tempo em que descobre a maternidade (as crianças têm 8, 3 e 1 ano), ela aprende o que é ser filha. Dos 14 aos 30, Maria Eugênia foi um borrão confuso para a família Lara. Era a razão da insônia e a prova da impotência dos seus pais, vivenciadas nos dias que ela deixava o conforto da casa de classe média para fumar ao relento, na rua.

Metamorfose rara

Neste último ano de resgate da lucidez, Maria Eugênia viu as feridas que cobriam a boca – sequela das inúmeras tragadas, violentas e diárias – darem lugar a vontade de passar batom novamente. No aniversário de 365 dias de sobriedade completados este domingo, ela renasce chamada de Mel (letras iniciais de seu nome e sobrenome), uma tática para celebrar a nova vida.

Apesar de feliz, ela sabe que é exceção. A maioria das Marias Eugênias brasileiras não consegue a metamorfose para Mel, já atestou pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). O estudo tentou acompanhar 131 usuários de crack, 12 anos após a passagem por um hospital nos anos 90. No total, 67% deles não venceram: 17% continuavam dependentes, 20% desapareceram, 10% estavam presos e 20% mortos (metade assassinados).

O corpo por uma pedra

Os médicos contam que desfecho da dependência do crack é mais lento na ala feminina. “As pacientes mulheres ainda chegam em menor número, mas sempre mais arrasadas fisicamente e psicologicamente do que os homens”, afirma Daniel Cordeiro, psiquiatra da única unidade pública de tratamento de dependência de drogas o Estado de São Paulo – mantida pelo governo e pela Unifesp – em São Bernardo do Campo (no ABC).

Epidemia: No centro de São Paulo, região é chamada de cracolandia e abriga mais mulheres

Isso porque eles, para sustentar o vício do crack, roubam, traficam, brigam. A violência contra o outro pode ser um resgate forçado da dependência, já que a cadeia e a prisão – vez ou outra – convocam a uma tentativa de recuperação. Já elas recorrem à prostituição. “O corpo por uma pedra”, propôs uma que vagava (com talvez 19 anos), de short e camiseta rasgada em uma tarde fria paulistana, ao taxista que percorria a área central da capital chamada de cracolândia. “Se não tem dinheiro então sai andando”.

Se não se prostituem propriamente, se vendem de outras formas. As dependentes topam apanhar cotidianamente de companheiros violentos, desde que as surras rendam pedra, como já contaram tantas meninas e mulheres que passaram pelo “oásis do tratamento químico” existente em São Bernardo do Campo.

O empréstimo do corpo feminino para conseguir droga as torna “merecedoras do castigo, que é a dependência”, avalia o psiquiatra Daniel Cordeiro. “As mulheres chegam à clínica em um ciclo difícil de romper. São culpadas por fumar crack e fumam para aliviar a culpa”, completa.

Epidemia nacional

No clínica de São Bernardo, mostrou levantamento divulgado semana passada, 73% das internações são por crack (homens e mulheres). Há 10 anos, a pedra não chegava a 5% dos atendimentos clínicos. Em Minas Gerais, o centro de toxicologia contabilizou escalda de mulheres dependentes da pedra. Em nove anos, o aumento foi de 76%.

O fenômeno é nacional. A droga – que é uma variação mais barata da cocaína – conquistou primeiro os moradores de rua paulistanos há 20 anos e hoje representam 39% das internações de todo País, segundo a Secretaria Nacional Antidrogas (Senad). “Informações preliminares que obtivemos este ano, com base em dados dos Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas, mostram que o crack, depois do álcool, é a droga que mais leva as pessoas para o tratamento”, descreve o cenário o Ministério da Saúde.

Olhos no espelho

Para se manter nas estatísticas de usuários de crack, Elaine, 21 anos destruiu os joelhos. “Troquei o emprego de vendedora para ser traficante. Corri tanto da polícia que, uma hora, não conseguia mais andar.”

Elaine, aos 21 anos, projeta um novo futuro depois de superar o crack

Ela vendia para usar, usava para vender, dormia na rua, fugia dos pais. O que o pó não tinha feito em sete anos de uso contínuo, a pedra conseguiu em seis meses. “A cocaína não me convenceu a buscar ajuda. O crack exigiu isso de mim.”

Ela chegou à clínica da Unifesp sem identidade, 12 quilos mais magra e, a convite da psicóloga Juliana de Almeida Castro Marinho, olhou-se no espelho. Por causa do aumento de mulheres que buscam tratamento no local, a especialista criou uma oficina da beleza. “As mulheres precisam resgatar o cuidado próprio. É isso que propomos com o espelho.”

Semana passada, após 44 dias internada na clínica, Elaine já havia entendido que espelho é retrovisor do passado, reflexo de presente e projetor de futuro. O Delas acompanhou os “últimos retoques” na nova imagem – um rímel nos olhos – antes dela encontrar o abraço dos pais e encarar a vida sem crack fora do portão. O primeiro desafio pode parecer trivial, mas provocava um frio na espinha da jovem: beijar o namorado. “Ele ainda é usuário, sabe. Tenho medo de sentir o gosto da droga”, falou.

Se Elaine temia o carinho de sempre ao virar sobrevivente, o receio de Felipe, 20 anos, era esbarrar com o primeiro amor. Ele enfrentou uma década de uso de crack (sim, começou aos 10) e, por causa da pedra, nunca namorou, não sabe o que é se apaixonar por alguém.

“Tenho muita curiosidade de saber como é, e um pouco de medo também. Vou cuidar de mim primeiro, mas acho que agora consigo saber o que é namorar”, disse, ele momentos antes da alta e de correr para os braços de uma senhora de 50 e poucos que sempre o esperou. “Minha mãe sofreu comigo cada dia da minha dependência. Acho que ela está mais feliz do que eu.”

"I fell good"
Aos novatos na turma de sobreviventes do crack, Mel – antiga Maria Eugênia – diz que o caminho será longo, a lembrança da droga vai voltar com frequencia e algumas noites vão parecer eternas. Mas antes de qualquer hipótese de arrependimento ameaçar manchar a história de sobrevivência da droga, o telefone da Mel toca, com o toque que ela elegeu para ser a trilha sonora da sua nova vida. “I fell good”, dança e cantarola os versos de James Brown, vindos do telefone celular.

“Não troco o meu pior dia sóbria, pelo meu melhor dia louca”, diz, embalada pelo som. O telefonema era para avisar o horário, 17h30. Estava na hora de buscar os filhos na escola.
Autor:Fernanda Aranda, iG São Paulo
Fonte:UNIAD - Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas







Publicidade








Apoio





Mauricar
Dando mais saúde à vida de seu veículo



Copiadora Campos
Art & Design

Toldos Campos
Toldos - Paineis - Adesivos