Cartilhas orientam alunos do ensino fundamental contras as drogas

BRASÍLIA (CNN) — Escolas de todo o Brasil começaram a receber uma cartilha, direcionada aos alunos do ensino fundamental (1a. à 4a. séries), orientando as crianças sobre os males das drogas, desde o cigarro e o álcool até narcóticos pesados, como o crack.

Preparada pela Polícia Federal e intitulada “O Brasileirinho”, a cartilha tem figuras para as crianças colorirem e um texto de fácil assimilação.

O material deve ser trabalhado pelos professores ao longo de quatro meses; cada dia será discutido um tema diferente e, ao final, o aluno fará uma oração, contida no livrinho, de combate ao uso de drogas.

A Polícia Federal espera que as crianças, uma vez que estejam mais bem informadas, saibam como reagir no momento em que alguém oferecer qualquer tipo de entorpecente.

“É mostrar como dizer não às drogas”, explicou o presidente nacional da Associação dos Servidores da Polícia Federal, Carlos Gatinho.

A distribuição está sendo feita nas escolas públicas e particulares.

“Queremos mostrar para as crianças a mensagem da prevenção antes que o traficante chegue com a das drogas”, destacou Gatinho, lembrando que o livro também traz esclarecimentos sobre comportamentos, principalmente com pessoas estranhas.

Já o superintendente da Polícia Federal do Distrito Federal, Euclides Rodrigues da Silva Filho, destacou que o objetivo da cartilha é fazer uma “prevenção primária, partindo desde a escola até o jovem na sua adolescência”.

A iniciativa da Polícia Federal reforça uma mobilização nacional contra as drogas, ainda mais evidenciada atualmente com a novela “O Clone”, da Rede Globo.

A cartilha foi inclusive apresentada à autora da novela, Glória Perez, que decidiu divulgar o material por meio de seus personagens, como mais um alerta ao problema das drogas.

Perez vem recebendo consecutivos prêmios pelo sucesso de sua campanha de conscientização, que inclui o depoimento verídico de pessoas que estão se submetendo a tratamentos para se livrar do vício.

As histórias comoventes, aliadas ao drama da personagem Mel – adolescente dependente de cocaína, protagonizada pela atriz Débora Fallabela -, provocaram, nos últimos meses, um aumento no número de internações em clínicas de recuperação.

Fonte: CNN.com.br