RPC lança campanha de combate às drogas

Estudantes, professores e pais serão os alvos de uma campanha de esclarecimento sobre as vantagens em não usar drogas que será iniciada em junho, em todo o Paraná. Os objetivos são evitar que entorpecentes entrem cada vez mais cedo na vida de crianças e adolescentes e mostrar os riscos decorrentes do consumo. A iniciativa é da Rede Paranaense de Comunicação, que vai envolver suas as oito emissoras de televisão, a Gazeta do Povo, a Rádio 98 FM, o Jornal de Londrina e o Portal Tudoparaná.

O trabalho integra um esforço nacional para combater o uso de entorpecentes nas escolas, tendo como ponto de partida a abordagem que está sendo feita na novela “O Clone”, da Rede Globo. Ontem, educadores, médicos pesquisadores, religiosos, representantes de organizações não governamentais (ONGs) e de órgãos públicos fizeram a primeira reunião para discutir como será desenvolvida a iniciativa.

Dentro da campanha, durante três meses, os veículos da RPC estarão abrindo espaços publicitários e intensificando a cobertura jornalística para ações de combate ao vício. A realização de um fórum, no dia 30 de junho, no Teatro Guaíra, é outra ação definida. O evento será voltado a professores. Com o resultado deste fórum deve ser elaborada uma cartilha com informações técnico-cientíticas que ajudem os professores a tratar o problema em sala de aula.

A professora Araci da Luz, coordenadora do Programa de Combate às Drogas da Universidade Federal do Paraná e uma das participantes da discussão de ontem, considera importante que o trabalho tenha um enfoque prático, onde o jovem que não é usuário da droga possa conhecer as vantagens de não consumir entorpecentes. “Ele precisa conhecer os prazeres de uma vida sem drogas”, resumiu. Além disso, ela defende que sejam respondidas algumas dúvidas básicas, como quais são os sinais que podem indicar que o jovem está usando drogas e o que os pais devem fazer. Após a campanha, parte das ações devem ter continuidade. Uma proposta é a manutenção de um site, onde as pessoas interessadas poderão encontrar informações sobre o tema. Também devem ser realizados fóruns permanentes sobre o tema.

Fonte: Gazeta do Povo – Paraná