Entrada de heroína em Manaus preocupa a Federal

“A apreensão de heroína em Manaus é um aviso. A droga chegou aqui e estamos correndo o risco”, a afirmação foi feita ontem à tarde pelo superintendente da Polícia Federal Carlos Lacerda Júnior, durante a incineração de cerca de 160 quilos de droga (153 de cocaína) (5,15 de heroína) e (2,32 de maconha) na sede da superintendência.

Ele garantiu que não estamos preparados para combater a droga que, segundo Lacerda Junior, tem o grau de recuperação do viciado em zero. “Não temos medicamentos para combater essa droga”, acrescentou.

Os entorpecentes incinerados ontem, segundo informações do superintendente da Federal, são o resultado de 22 inquéritos e a prisão de 37 pessoas. A droga foi apreendida entre janeiro do ano passado a março deste ano.

O superintendente da Polícia Federal agradeceu aos juizes estaduais e federais que têm colaborado com a polícia no combate ao tráfico de entorpecentes.

“A polícia é um instrumento nas mãos da Justiça. A tarefa de combate as drogas é árdua e sem as autoridades não poderíamos fazer nada”” afirmou Larcerda Junior.

Ele acrescentou que ano passado os policiais da Superintendência da Polícia Federal do Amazonas erradicaram 840 mil pés de maconha que representa cerca de 100 mil toneladas da droga. “Se fossem colocada em carretas eram mais de dez”, afirmou.

Carlos Lacerda Júnior enalteceu o trabalho dos policiais da Delegacia de Prevenção e Repressão a Entorpecentes (Delepren) que nunca desistirem de nenhuma missão, mesmo enfrentando dificuldades.

Ele garantiu que as Forças Armadas, Marinho, Exército e Aeronáutica têm colaborado também com a Polícia Federal no combate as drogas.

Heroína

Para Darlan Alves, ex-assessor da Polícia Federal, os cinco quilos de heroína apreendidos por agentes da PF e os mais de 9 apreendidos por policiais civis não vieram da Ásia, onde é comum as plantações de papoula.

Ele disse acreditar que a droga esteja sendo produzida por narcotraficantes na Colômbia. “Estou há cerca de 15 anos na polícia. Essa foi a primeira vez que tivemos apreensão de heroína na região”, afirmou Darlan.

Os mais de 5 quilos de heroína incinerados ontem pela Polícia Federal não foram os primeiros queimados em Manaus. Anteontem, na queima de droga da Polícia Civil, 9 quilos de heroína foram para o fogo.

A droga, extraída da papoula, segundo um policial federal não é comum no Amazonas, por causa do alto preço. Ele afirmou que um quilo da droga custa cerca de 60 mil dólares no exterior.
Fonte: Amazonas em Tempo