Pesquisa diz que 11,2% dos brasileiros dependem de álcool

Brasília – O secretário Nacional Antidrogas, general Paulo Roberto Uchoa, anuncia amanhã os resultados da primeira pesquisa nacional sobre uso de drogas no País. Os primeiros números da pesquisa indicam que 11,2% da população brasileira é dependente de bebidas alcoólicas, 9% de tabaco e 1% de maconha. O relatório a ser apresentado nesta quarta-feira aponta ainda que a maior parte dos dependentes de maconha é de homens, com idade entre 18 e 25 anos, e que não foi registrado consumo de drogas entre mulheres com idade acima de 35 anos.

O general Paulo Roberto Uchoa disse que, embora não se possa considerar “alarmantes” os números encontrados, ressalta que eles “não são desprezíveis porque 1% de consumidor de maconha que já usou a droga alguma vez na vida significa 1,7 milhão de pessoas, o que é muita gente”. Segundo o general, “a vantagem do Brasil em relação a outros países, é que nós temos uma política nacional antidrogas e que União, estados e municípios estão trabalhando em conjunto para agir preventivamente, independente de conotação política e partidária”.

Com base nestes dados, ressaltou o general, os governos podem identificar as vulnerabilidades da juventude e tentar agir antes dos traficantes. “Podemos criar escudos para os nossos jovens”, acrescentou ele, depois de lembrar que estados como São Paulo e Rio de Janeiro têm conselhos antidroga em funcionamento e que os trabalhos dessas instituições precisam ser mais divulgadas para ajudar a reduzir a demanda.

A pesquisa foi realizada pela Secretaria Nacional Antidrogas (Senad) e o Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid), vinculado à Escola de Medicina da Universidade Federal de São Paulo. Ela representa o resultado final do primeiro levantamento domiciliar sobre uso de drogas, que apontam importantes dados como se é fácil conseguir o psicotrópico, se o entrevistado tem costume de comprar a droga ou se é abordado com freqüência por vendedores.

Foram ouvidas 8589 pessoas foram, de 12 a 65 anos, entre outubro e dezembro de 2001 nos 107 municípios brasileiros com população superior a 200 mil habitantes. Os dados serão apresentados na reunião do conselho nacional antidrogas.
Fonte: Agência Estado