Bandidos entram no sistema de rádio da PM e ameaçam matar governadora

RIO – A rede de comunicação da PM foi o canal utilizado nesta quinta-feira por bandidos para fazer novas ameaças de ataques criminosos na cidade e à governadora Benedita da Silva. Por volta das 4h, vozes, supostamente de traficantes da facção Comando Vermelho, interromperam transmissões do sistema de rádio da PM, ameaçaram Benedita de morte e disseram que “bondes” (comboios de bandidos armados) voltariam a espalhar o terror nas ruas. O caso está sendo investigado pela Secretaria de Segurança, que informou ter rastreado a transmissão. A governadora não quis comentar o caso.

As ameaças pelo rádio da PM foram feitas na freqüência do 16º BPM (Olaria) e do 22º BPM (Benfica), quartéis responsáveis pelo policiamento dos complexos do Alemão e da Maré. Duas vozes se alternavam e, possivelmente, foram transmitidas de locais diferentes. Os homens se identificaram como integrantes das facções criminosas rivais: Comando Vermelho (CV) e Terceiro Comando (TC). Mas uma ameaça ao traficante Paulo César Silva Santos, o Linho, chefe do TC, reforçou a hipótese de que as mensagens eram dos bandidos do CV.

– Vamos sair num “bonde”, vamos tocar o terror e matar a governadora Benedita – gritou um deles.

As ameaças pelo rádio só terminaram quando o Centro de Operações da PM interveio. Um policial retomou o controle das transmissões, anunciando que os bandidos estavam sendo rastreados. Foi pedido que os policiais não respondessem às provocações, mas pelo telefone do Disque-Denúncia as ameaças continuaram.

– Hoje houve uma chuva de denúncias pelo telefone 2253-1177 – comentou um policial.

Lideranças do PT fluminense disseram nesta quinta que tratarão com seriedade as ameaças. Segundo o deputado estadual Carlos Minc, o episódio é mais uma prova de que os traficantes cariocas estão acuados:

– Vamos encarar com seriedade, pois eles (os traficantes) estão acuados e uma fera acuada pode pular na veia jugular do inimigo.

O assunto será discutido nesta sexta-feira na primeira reunião de uma comissão formada às pressas para debater soluções práticas e imediatas de combate à violência no Rio. Farão parte do grupo deputados estaduais e federais do PT e especialistas em segurança pública ligados ao partido.

Nesta quinta a coordenadora de Segurança Pública, Jacqueline Muniz, revelou que seria vítima de um atentado. Segundo ela, o serviço de Inteligência da polícia conseguiu, em abril, impedir um atentado que ela sofreria na comemoração do dia 1º de Maio no Aterro do Flamengo. Jacqueline lembra que outras autoridades de segurança pública estavam a seu lado no palanque, junto com a governadora:

– Fui informada desse atentado com três semanas de antecedência.

Mas as ameaças só começaram a preocupar a cúpula da segurança depois que a irmã do chefe de Polícia Civil, Zaqueu Teixeira, teve que deixar o lugar onde morava, na Zona Oeste, esta semana, por causa do tráfico.
Fonte: Globo.com.