Tráfico manda e desmanda

Para manter a polícia afastada de sua mãe e de seu arsenal no Morro da Pedreira, bandido ordenou que cúmplices jogassem granada em PMs

Homem mais procurado pela polícia do Rio, o traficante Paulo César Silva dos Santos, o Linho, estabeleceu uma regra a ser seguida por seus cúmplices do Morro da Pedreira, em Costa Barros: afastar a polícia do local. O bandido tem dois motivos para manter longe os homens da lei. Um deles é que, na favela, ele esconde seu arsenal de armas pesadas. Outro é que, naquela comunidade, mora sua mãe.

Por isso, o líder da facção criminosa Terceiro Comando (TC) formou uma quadrilha com seus homens mais violentos, que fazem verdadeiras barreiras nos principais acessos ao morro. Foi esse bando que, quarta-feira à noite, lançou uma granada e fez vários disparos contra uma Blazer da PM. Os tiros acabaram atingindo também um ônibus da Viação Flores, que seguia em direção a São João de Meriti com 56 passageiros.

“Ele tem parentes na Pedreira. Além da mãe, a mulher vive lá. Elas são protegidas pela quadrilha que aterroriza os outros moradores e ataca a polícia”, afirmou o comandante do 9º BPM (Rocha Miranda), tenente-coronel Antônio Carlos Suares David.

Granada teria sido atirada por traficante Arlei

Um dos tiros matou a passageira de ônibus Zuleide Maria da Silva, 51 anos, que havia desembarcado terça-feira no Rio, depois de passar três dias viajando. Costureira, ela veio do interior de Pernambuco para participar da comemoração das bodas de prata da irmã, que seria sábado, em São João de Meriti.

Um outro disparo de fuzil atingiu o braço da enfermeira Elisabete Santos, 28 anos, que passava no local por caso: ela trabalha em outro horário, mas havia trocado o plantão com uma colega. Na linha de fogo dos traficantes, também estavam os dois sargentos – Luiz Henrique de Lima, 39, e José Augusto Carvalho Maçana, 49 – que morreram e dois soldados, que escaparam com ferimentos.

Segundo denúncias anônimas feitas ao comando do 9º BPM (Rocha Miranda), a granada foi jogada pelos traficantes conhecidos como Cristiano e Arlei Azevedo de Araújo, o Savoy. Arlei é acusado de matar policiais na Zona Oeste, entre eles o inspetor Marcos Augusto de Paula, o Marcão, em setembro. O traficante é apontado ainda como o responsável por organizar os bondes e comandar as invasões às favelas inimigas.

Um policial militar, que não quis se identificar, revelou que, no mês passado, Arlei comandou com seu grupo uma sessão de tortura contra dois policiais do Getam. “Eles levaram os caras lá pra cima, esculacharam, roubaram as armas e mandaram recado para não subirem mais o morro”, contou.

Sassá é o principal homem de Linho no morro da Pedreira

Mas o homem forte da Pedreira, escolhido por Linho, é Edmilson Ferreira dos Santos, o Sassá, principal matador da quadrilha, que comanda os ataques à polícia também no Complexo da Maré. “Nosso maior problema é a dificuldade de acesso. A geografia da favela facilita a fuga dos bandidos ”, admite o comandante do 9º BPM.
Fonte: O Dia