Prefeitos vão agir no combate às drogas

Ao dedicar um capítulo inteiro à política de prevenção ao uso de drogas no País na mensagem que enviou ao Congresso, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva mostrou que o assunto será uma das prioridades de seu governo.

Segundo o secretário Nacional Antidrogas, general Paulo Uchôa, a União vai começar a investir na municipalização dos programas, jogando a responsabilidade também para os prefeitos. Uchôa também anunciou a reestruturação do Conselho Nacional Antidrogas.

Na nova Lei Antidrogas – em análise pelo Congresso -, o viciado é tratado como doente e torna-se mais severa a pena contra o traficante. “A política nacional antidrogas do Brasil é moderna e já diz que o viciado tem direito a tratamento”, afirmou. “O próprio Ministério da Saúde já está encarando o dependente químico como doente, o que não acontecia no passado.”

Uchôa, porém, admite que o País não tem estabelecimentos suficientes para tratar tanta gente. “Os Centros de Apoio Psicossocial em Álcool e outras Drogas estão se instalando e há outros planejados. Hoje são 34 órgãos relacionados à causa antidroga, mas estão fazendo seus trabalhos distantes um dos outros. Agora, o Conselho Nacional Antidrogas vai ser reestruturado.”

Segundo Uchôa, a estratégia do presidente Lula privilegia a prevenção. “A repressão é importante, mas o presidente vem ressaltando a necessidade de centrar esforços na integração das políticas públicas setoriais com a política nacional antidrogas, para ampliar o alcance das ações.” Entre elas, o secretário cita o crescimento das ações em níveis municipais.

“Não adianta ter aqui de Brasília um projeto de prevenção e de capacitação, se nas cidades não tiver pessoas capacitadas para conduzir isso. É na cidade que o jovem mora, lá que ele se droga e lá que ele tem que aprender”, diz Uchôa. Mas o secretário diz que o sucesso do projeto depende dos prefeitos.

“Agora eles também terão que colocar a mão na massa.”

Fonte: Jornal da Tarde – Geral