Ilha de ex-padre traficante é desapropriada

CAMPO GRANDE. O governador do Mato Grosso do Sul, Zeca do PT, desapropriou ontem a Ilha do Padre, um dos pontos mais visitados de Bonito, cidade turística a 250 quilômetros de Campo Grande. O ex-padre Rooswelt Sá de Medeiros, condenado a quatro anos de prisão por tráfico de drogas, é dono da ilha e estava tentando vendê-la por R$ 6 milhões.

O decreto de desapropriação só deverá ser publicado no Diário Oficial do estado na segunda-feira. Desde que o anúncio de venda foi publicado em jornais de circulação nacional, o corretor de imóveis Hildeberto Rubin Aléssio recebeu ligações de interessados que moram nos Estados Unidos, na Suíça, no Rio e em Campo Grande.

— O preço de venda é de R$ 6 milhões. Por menos que isso a ilha não será vendida e o pagamento terá que ser à vista — afirmou.

Governo quer transformar ilha em Monumento Natural

Mesmo com a desapropriação, Aléssio garante a venda prossegue.

— O advogado do proprietário me disse que enquanto padre Rooswelt não for notificado da desapropriação, a venda continua — disse o corretor.

Para o secretário estadual de Meio Ambiente, Márcio Portocarrero, a venda poderia pôr em risco o ecossistema local, por causa da exploração comercial. Com a desapropriação, o governo pretende transformar a Ilha do Padre em Monumento Natural do Rio Formoso. Uma das propostas é de que a ela passe a ser administrada pelo mesmo sistema adotado na Gruta do Lago Azul, cuja visitação é controlada pela Secretaria de Turismo de Bonito.

A ilha, de 2,6 hectares, recebeu no ano passado 120 mil turistas. Rooswelt, que tomou posse da área por usucapião, implantou um complexo turístico com dez cachoeiras incluídas no roteiro turístico da cidade, uma reserva ecológica, capela e restaurante.

Corretor diz que na ilha vivem milhares de espécies

Segundo o corretor de imóveis, na Ilha do Padre vivem 650 espécies de aves, 262 de peixes, 1.100 de borboletas, 80 de mamíferos, 50 de répteis e 1.700 de plantas catalogadas.

Rooswelt era padre na época em que assumiu a ilha, em 1981. Ele chegou a ser eleito prefeito e, no ano passado, foi condenado por tráfico de drogas. Mas ele conseguiu hábeas-corpus e continua em liberdade. Segundo Aléssio, por causa do processo, o ex-padre decidiu vender a ilha e se mudar de cidade. Ao ser condenado, Rooswelt foi expulso da Igreja Católica em março deste ano, pelo Papa João Paulo II.

Fonte: O Globo