Escola da droga – Continuação

Porto Alegre lidera o ranking do consumo de drogas. Enquanto o consumo médio nacional de maconha é de 2%, na capital gaúcha é de 4,7%. Esses jovens são também os maiores consumidores de cocaína e inalantes. Só perdem para Brasília quando o assunto é merla (uma espécie de pasta de cocaína misturada a querosene e gasolina). Em relação às drogas injetáveis, os estudantes gaúchos seguem a média nacional. “Demorei a aceitar essa realidade”, admite o psicanalista gaúcho José Outeiral. Autor de uma dezena de livros sobre o tema, o médico tenta explicar o fenômeno no sul do País. Seria o alto poder aquisitivo local e a proximidade das fronteiras. “Costumo dizer que a droga se matriculou na escola.”

Não importa a classe ou o sexo. A droga vem se aproximando mesmo da infância. Num passado recente, o jovem debutava no mundo das drogas aos 14 anos; hoje, aos 11 anos. Isso não significa que todos esses jovens evoluam para a dependência, assim como nem todo adolescente que usa drogas está envolvido com o tráfico. “Os mais vulneráveis são aqueles oriundos de famílias cujos limites não são claros”, analisa o psicanalista carioca Luiz Alberto Pinheiro de Freitas. A ausência do “não” na vida desses jovens cria uma espécie de ideal maníaco pela felicidade eterna e ininterrupta. A Unesco confirma esse diagnóstico: 63,7% dos alunos ouvidos pela pesquisa responderam que usam drogas para anestesiar as dificuldades.

“Acho ridículo minha mãe me chamar de maconheira. Meu pai é alcóolatra. Se ele pode, por que eu não posso?”, questiona a jovem T.H., 15 anos. “Fumo baseado desde os 12 anos. Já cheirei lança-perfume, mas não sou dependente.” Segundo a pesquisa da Unesco, o consumo de drogas entre as meninas é 30% inferior ao dos meninos estudantes. A exceção fica por conta de Belém – lá o consumo de drogas entre meninos e meninas é igual. Além de problemas familiares, o modismo e a necessidade de auto-afirmação são apontados pelos jovens como motivações importantes para iniciarem-se nas drogas.

No caso de T.H., o uso regular das drogas já está interferindo na vida escolar. Aluna de uma escola pública do Rio, ela sempre tirou boas notas. Mas, desde que passou a fumar diariamente, seu rendimento escolar despencou. Ela não associa as notas baixas ao uso regular de drogas.
“É uma fase da minha vida. Era boa aluna, hoje não sou mais.” Segundo
a pesquisa, o porcentual de reprovação entre os usuários de drogas
é duas vezes maior do que entre os alunos que não fazem uso dela: 31,3% contra 16,2%.

“As drogas, sobretudo a maconha, provocam prejuízo cognitivo. Elas atuam no lobo frontal”, comenta o médico Jorge Jaber, dono de uma clínica de recuperação de dependentes químicos. Cerca de 30% dos
seus pacientes são meninos e meninas menores de 18 anos. Por terem ainda o sistema nervoso imaturo, as drogas nessa faixa etária podem causar danos irreparáveis. Só que, ao contrário do que se pensa, não
é a maconha a porta de entrada para o mundo das drogas ilícitas, mas
o álcool e o cigarro. L.S., por exemplo, é a personificação dos números
da Unesco. Ele iniciou nas drogas pelo álcool. Hoje, aos 18 anos, ele
já repetiu de ano algumas vezes e cursa a 8ª série. As agressões passaram a fazer parte de sua vida quando começou a fumar maconha diariamente. Já agrediu a mãe e costuma roubar: “Meus alvos preferidos são velhinhas indefesas.”

As escolas públicas, sobretudo as localizadas em áreas de risco, são as que sofrem a maior pressão do poder coercitivo dos traficantes. “Até a Igreja e os postos de saúde estão sendo obrigados a abandonar esses locais”, comenta a diretora do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Atenção ao Uso de Drogas (Nepad), da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), Maria Thereza de Aquino. Em muitas dessas escolas impera mesmo é a lei do silêncio, que vem acompanhada do medo e da ameaça, o que demonstra as tênues fronteiras entre a droga e a violência nas escolas. “O assunto drogas dentro da sala de aula é praticamente um tema proibido. Temos que falar sobre ele com muito cuidado”, admite uma professora de um Ciep da zona norte do Rio, localizado numa área conflagrada e dominada pelo tráfico.

Fonte: Revista Istoé