Por diária, aposentada acobertava traficante

Cinqüenta reais era o preço da “diária” que o traficante Paulo Silvestre pagava para a aposentada Genilta de Oliveira Nogueira, de 62 anos, guardar drogas em sua casa, na região do Capão Redondo, zona sul. Mas, graças a uma denúncia anônima, os dois foram detidos pela Polícia Militar, ontem.

A aposentada disse morar com seus dois filhos, que têm problemas mentais.

Alegou que aceitou a proposta do traficante porque não tinha como sustentar seus filhos.

“Antes de ser levada para a delegacia, Genilta bateu na porta da vizinha e pediu para que tomasse conta dos dois”, disse o tenente Paulo Roberto Nucci, da Força Tática do 1.º Batalhão.

Na casa da aposentada, os policiais encontraram mil pedras de crack, uma pedra “bruta” – de cerca de 500 g -, além de 60 papelotes de cocaína e duas trouxinhas de maconha.

“Fomos informados que ela já fazia esse tipo de trabalho há algum tempo e que chegou a guardar armas pesadas, como fuzis e metralhadoras”, disse Nucci.

Era por volta das 2h quando a viatura entrou na Rua Simão de Miranda, no Jardim Ester. Genilta assistia tevê quando os PMs bateram na porta. Disseram que “sabiam de tudo” e perguntaram aonde estava a droga. A aposentada respondeu.

“Perguntamos de quem era droga e ela respondeu que era do Paulinho, que mora na casa da frente”, disse Nucci. Na casa do traficante foram encontradas mais mil pedras de crack, uma pistola calibre 45, colete à prova de balas, além de R$ 1.510 e US$ 51. O dois foram levado para o 47º DP, no Capão Redondo.

Fonte: Jornal da Tarde – Geral