GHB: mais uma surpreendente droga

O GHB ou ácido gama hidroxibutirato é a mais nova substância usada em festas noturnas, chamadas festas “rave” (rave=delírio, entusiasmo). Conhecido como “líquido X” ou “êxtase líquido”, a droga pe facilmente adquirida durante estas festas ou até mesmo pela internet. A droga já foi usada como anestésico e por fisiculturistas, como alternativa em substituição ao uso de esteróides e atualmente sua utilização passou a ser recreacional. Uma das grandes preocupações da sociedade sobre o consumo é o fato do GHB estar relacionado com atos de violência sexual.

O ácido gama hidroxibutirato e seus produtos de biotransformação, gama butirolactona (GBL) e 1,4 butanodiol (1,4 BD), causam depressão do sistema nervoso central. Doses subanestésicas elevam o nível de dopamina central, provocando um estado de alerta e felicidade e sendo erroneamente comparado ao êxtase (MDMA).

Elevadas doses provocam efeito depressor central. O GHB é uma droga altamente potente, mesmo em pequenas doses pode causar intoxicações intensas. Um dos problemas do uso do GHB está na pequena diferença entre as doses que podem provocar o efeito desejado ou as que causam intoxicações agudas (“overdoses”).

A droga é comercializada no estado liquido, incolor, inodora e de sabor levemente salgado, é usualmente consumida juntamente com bebidas alcoólicas, o que torna o uso extremamente perigoso, pois o etanol potencializa os efeitos depressores do GHB. O início do efeito acontece de 10 a 30 minutos e pode durar de 2 a 5 horas. Como qualquer anestésico, a segurança da droga está diretamente relacionada a cálculos exatos de peso, metabolismo, pressão sanguínea e sensibilidade dados que variam de pessoa para pessoa.

Os sintomas mais freqüentes após a ingestão são: euforia, sedação, diminuição da inibição, vertigens, perda de visão periférica, agitação, inconsciência. Podendo chegar a perda temporária de memória e amnésia.

Os efeitos de doses elevadas são caracterizados por: náusea, vômito, incontinência, distúrbios visuais, ataxia severa, bradicardia, hipotensão, hipotermia, depressão respiratória, delírio, baixo nível de consciência e inconsciência.
Nos Estados Unidos e Europa a droga já está bastante difundida, mas a dificuldade de diagnóstico ainda é grande. Relatos sobre o assunto confirmam que muitas pessoas vêem a óbito antes de chegar ao socorro médico ou chegam inconscientes, além da grande variedade de sintomas e efeitos tóxicos.

Por isso, é de grande importância entre os profissionais de saúde a discussão sobre o GHB, devido à carência de documentação científica e o crescente uso recreacional, além da preocupação da sociedade devido ao destaque dado pela mídia nos últimos meses.