Brasília Music Festival adere à campanha contra as drogas

Além de proporcionar três dias de música e diversão para um público estimado em cerca de 100 mil pessoas, o Brasília Music Festival (BMF) divulgará mensagens preventivas ao uso de drogas para a platéia. Por meio de uma parceria com o Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC) e o BMF, a campanha “Ligue-se na música. Desligue-se das drogas” foi integrada à programação do festival e estará sendo divulgada durante todo o evento, que acontecerá a partir desta quinta-feira até o dia 27.

A campanha faz parte de uma estratégia global do UNODC de inserir mensagens preventivas ao uso de drogas em eventos musicais. Uma vinheta com o slogan da campanha será exibida nos telões do festival durante os intervalos de cada show. Além disso, o UNODC terá um estande dentro da arena do festival para distribuir materiais educativos cedidos pela Secretaria Nacional Antidrogas (SENAD), pela coordenação Nacional de DST e Aids do Ministério da Saúde, pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID), pelo Serviço Social do Comércio (SESC)e pelo Projeto Hora H. “Com essa parceria, divulgaremos uma importante mensagem preventiva ao público jovem, em um ambiente descontraído e alegre.

A celebração da arte, da música e do prazer dispensa o uso de drogas”, afirma o representante do UNODC para o Brasil e o Cone Sul, Giovanni Quaglia. “É possível ir a um show de rock e curtir o evento de cabeça limpa”, avalia o produtor do BMF, Rafael Reisman.

O slogan “Ligue-se na música. Desligue-se das drogas” também estará estampado em camisetas confeccionadas especialmente para o Brasília Music Festival. Durante o evento, músicos, artistas e personalidades serão procurados para vestir a camiseta como um sinal de apoio à campanha, o que facilitará a divulgação da mensagem para o público em geral.

Cada um dos parceiros do UNODC no estande contribuirá com conteúdos diferentes. A SENAD e o CEBRID cederam guias e folhetos educativos sobre o uso de drogas ilícitas, com mensagens didáticas e de fácil entendimento pelo público jovem. O material do SESC está mais voltado para o uso do tabaco, enquanto que os folhetos e guias do Ministério da Saúde abordarão a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, da Aids e a relação delas com o uso de drogas. O projeto Hora H, por sua vez, trabalhará a questão da responsabilidade nas relações de gênero e a participação ativa dos jovens na transformação social de comunidades carentes.

Fonte: OBID