Guerra de traficantes deixa 6 feridos no Rio

Rio, 25 (AE) – Cinco homens armados liderados pelo traficante Flávio Pires da Silva, de 26 anos, o “Flávio Negão”, que controla o tráfico de drogas na favela de Vigário Geral, Zona Norte do Rio, balearam na noite de ontem (24) seis pessoas, entre elas, uma mulher grávida de três meses.

O tiroteio ocorreu na esquina das Ruas Isidro Rocha e Figueiredo Rocha, no Jardim América, a cerca de 500 metros da entrada da favela Furquim Mendes. “Flávio Negão” tentou matar Arnaldo Cosme da Silva, de 22 anos, que trafica armas para as principais quadrilhas que controlam os morros e favelas do Rio.

De acordo com testemunhas, “Flávio Negão” chegou ao local por volta de 21h, num Kadett verde metálico com outros cinco homens fortemente armados, inclusive com fuzis AR-15 e uma metralhadora Ponto 50 anti-aérea usada pelo Exército. Arnaldo Cosme da Silva estava com a namorada, identificada apenas como Flavinha, quando os traficantes chegaram atirando. Cinco pessoas que conversavam na porta de suas casa foram atingidas. Houve corre-corre e pânico entre os moradores.

O principal pivô do tiroteio, Arnaldo Cosme, levou um tiro na mão esquerda. Ele pediu ajuda no posto policial da PM, no Jardim América, cujos PMs o levaram para o Hospital Carmela Dutra, onde foi medicado. Arnaldo prestou depoimento na 39ª Delegacia polícial e contou que “Flávio Negão” tentou se vingar dele por causa do sumiço de dois fuzis AR-15. Arnaldo era filho de uma das maiores fornecedoras de armas para traficantes do Rio, “Vera Peituda”, morta há cerca de um ano por integrantes da quadrilha de “Flávio Negão” porque, além de não entregar as duas armas, teria indicado para a polícia o paiol de armas do traficante na favela de Vigário Geral.

Ficaram feridos no tiroteio, além de Arnaldo, Carlos Gil Caldeiro, de 33 anos, Gutemberg Sampaio da Silva, de 18 anos, André Luis Fernandes Farias, de 17 anos, Maria da Penha da Silva, de 27 anos, grávida de três meses, e uma sexta pessoa que não foi identificada. Os feridos foram medicados no posto médico de Irajá e depois removidos para o Hospital Souza Aguiar. Apenas Maria da Penha, que levou um tiro no braço esquerdo, permaneceu internada. De acordo com a direção do hospital, Maria da Penha perdeu muito sangue, mas o ferimento não afetou sua gravidez. Ela deverá ficar internada pelo menos mais cinco dias, em observação.

Fonte: Estadão