História do álcool

Segundo alguns registros arqueológicos, os primeiros indícios do consumo de álcool pelo ser humano datam de mais de oito mil anos. No primeiro momento, as bebidas eram produzidas apenas pela fermentação e, por isso, tinham um baixo teor alcóolico.
Com o desenvolvimento do processo de destilação, começaram a surgir as primeiras bebidas mais fortes e mais perigosas. Com a Revolução Industrial, a bebida passou a ser produzida em série, o que aumentou consideravelmente o número de consumidores e, por conseqüência, os problemas sociais causados pelo abuso no consumo do álcool.

Curiosidade:
Um dos grandes problemas, dentre os muitos causados pelo álcool, é a combinação bebida – direção. Por afetar consideravelmente a coordenação motora e o tempo de reação do alcoolizado, muitos acidentes fatais ocorrem devido ao motorista estar sob o efeito do álcool. Dirigir sob efeito de álcool é proibido por lei no Brasil e a quantidade máxima da substância aceita no país é de 0,6 gramas por litro de sangue.

A bebida leva abaixo qualquer dieta

Apesar de passar a semana inteira à base de saladinhas, grelhados, desnatados, lights e diets, você não consegue enxugar as medidas. Dê uma olhada rápida no seu cardápio das noitadas, happy hours ou coisa que o valha. Lá pode estar a fonte calórica que não lhe deixa emagrecer: os drinques.
As bebidas alcoólicas, além de não alimentarem nadinha, têm muitas calorias. Se a intenção é perder peso, as bebidas alcoólicas precisam ser banidas (ou pelo menos bastante reduzidas) da dieta. Cada grama de álcool tem sete calorias, enquanto um grama de proteínas ou carboidratos tem quatro calorias.

Uma dose de uísque tem cerca de 120 calorias e um copo de suco de laranja tem cerca de 110. O problema, portanto, é mais na quantidade de porções do que no valor calórico da bebida em si. Isso porque, em geral, não se toma quatro copos de suco de laranja numa noite, mas pode-se ingerir essa quantidade de doses de uísque.

Mas o álcool não pode ser avaliado simplesmente pelo valor calórico. Segundo o médico Marcos Tambascia, professor da disciplina de Endocrinologia da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), “as bebidas alcoólicas causam uma irritação gástrica e o indivíduo acaba comendo mais para amenizar os efeitos do processo irritativo”. Lembra do tira-gosto? Tambascia acrescenta: “No caso das bebidas fermentadas, você às vezes acaba perdendo o controle. Cerveja, por exemplo, é uma coisa que você perde a conta”.

“Numa dieta de emagrecimento, geralmente é prescrito o consumo diário de 1220 a 1500 calorias. Assim, 200 calorias somente de álcool têm um impacto muito grande”, diz o endocrinologista. Portanto, se a sua idéia é emagrecer, pense duas vezes antes de aceitar aquele convite para um chopinho.