Adolescentes cometem 40% dos homicídios

O tráfico de drogas e o contrabando de cigarros fizeram da fronteira do Brasil e Paraguai um ambiente propício para que jovens ingressem no mundo da criminalidade. Segundo levantamento da 6.ª Subdivisão da Polícia Civil, 40% dos 247 homicídios dolosos registrados durante 2003, em Foz do Iguaçu, tiveram envolvimento de adolescentes de até 18 anos. A maioria dos 98 casos está diretamente relacionada ao uso e distribuição de entorpecentes no município.

O índice de homicídios cometidos por adolescentes em Foz do Iguaçu é de 35 mortes por grupo de 100 mil habitantes. O número, considerado alto por especialistas em assuntos da infância e adolescência, é 15 vezes maior que o de Curitiba, onde ocorreram dois assassinatos para cada 100 mil habitantes, em 2003. É também superior a da vizinha de Cascavel, cidade de 270 mil habitantes – população é quase igual à de Foz. No ano passado, onde foram registrados na cidade 14 homicídios atribuídos a autores da mesma faixa etária.

As estatísticas de Foz do Iguaçu e Cascavel têm como base a elucidação dos crimes. Em Foz do Iguaçu, o número de homicídios solucionados em 2003 está na média de 80%. Em Cascavel, a polícia chegou à autoria de 54 mortes.

A diretora do Centro Integral de Atendimento ao Jovem e Adolescente de Foz do Iguaçu (Ciaadi), Eliana Santos Ramos, diz que apesar de altas, as estatísticas refletem a realidade da fronteira, principalmente pelo fato de o jovem ter facilidade de acesso às drogas, armas e se envolver com gangues. “Há uma cultura de eliminar o opositor pela violência”, salienta.
Fonte: Gazeta do Povo