Anabolizante prejudica todo o organismo

Conseguir um corpo “sarado” em pouco tempo, ganhar músculos salientes e ter fôlego para agüentar qualquer balada tem seu preço. Infarto, envelhecimento cutâneo e degradação do cérebro são alguns dos riscos de tomar anabolizantes sem orientação médica.

Nabil Ghorayeb, cardiologista do centro de medicina esportiva do Hospital do Coração em São Paulo, afirma que, logo após a segunda dose, o risco de infarto é grande. “O Winstrol gera pontos de infarto, uma degeneração total do coração. Além disso, ele reduz o nível de colesterol “bom” (HDL) e eleva a taxa do “ruim” (LDL), o que também afeta o sistema cardiovascular.Para fazer efeito no músculo, a droga intoxica todos os outros órgãos, aumentando até o risco de câncer de ovário”, diz o médico que teme ainda que o Winstrol vicie. “Tenho uns seis pacientes que assumem a administração dessas porcarias, e todos me perguntam se podem voltar a usá-las novamente.”

Outro efeito colateral do esteróide anabolizante é muito mais visível. “A mulher toma um remédio para ficar linda, mas corre o risco de ficar com pele de velha, careca e cheia de dermatites”, afirma a dermatologista Ivette Haquim, do Hospital Samaritano (SP). Ela explica que a droga pode provocar engrossamento da pele, queda de cabelo, espinhas e vasinhos nas pernas.

Segundo ela, a pele da usuária de anabolizante fica com aspecto envelhecido porque a droga diminui os níveis de colágeno e vitamina C no sangue. Além disso, aumenta o risco de dermatites seborréicas, que provocam escamações.

Por aumentar o nível de testosterona, o anabolizante também pode deixar o corpo mais masculino. Os seios, por exemplo, podem diminuir. “Elas pensam que isso acontece por causa dos exercícios excessivos, mas não é”, afirma o especialista em fisiologia do movimento, Paulo Zogaib, Coordenador do Centro de Medicina Esportiva do Hospital Sírio Libanês (SP).

Paralelamente à diminuição dos seios, o tamanho do clitóris, que é um músculo, tende a aumentar e a menstruação pode se tornar irregular. “O ciclo menstrual vai se alterando aos poucos”, diz o especialista em medicina do esporte Marcelo Baboghluian. Após ciclos seguidos da droga, a menstruação pode até cessar.

Os danos à saúde continuam de forma indireta. Banir os carboidratos da dieta, como fazem muitas usuárias, prejudica o cérebro. “Ele fica mais fraco porque não recebe a energia necessária”, diz o médico Edson Credidio, Diretor da Associação Brasileira dos Nutrólogos-Abran. Para suprir a falta de energia proveniente dos carboidratos, o cérebro passa a usar as proteínas acumuladas nos músculos para manter seu funcionamento, reação que se opõe ao objetivo de quem usa anabolizantes para ficar malhado.

Como se tudo isso não bastasse, os ligamentos também são prejudicados pela droga. Os músculos realmente ficam mais fortes, mas os tendões não estão preparados para exercícios tão puxados, explica Baboghluian.

“O músculo é apenas uma alavanca de força para os ligamentos, tem de dar tempo para a articulação se preparar”. Segundo o especialista, as lesões ocorrem geralmente nos joelhos, nos tornozelos (tendão-de-aquiles) e nos ombros.

Como ter um corpo malhado sem drogas

– Mantenha o check-up em dia e vá ao dentista regularmente. Infecções bucais, que, muitas vezes, passam despercebidas, podem atrapalhar o desenvolvimento físico.
– Consulte um nutricionista para adotar uma dieta adequada e evite doces, refrigerantes e álcool.
– Durma ao menos sete horas por noite.
– Os treinos para ganho de massa muscular devem consumir de três a seis horas por semana, não ultrapassando uma hora por dia e sempre com acompanhamento profissional.
– Trabalhe apenas dois grupos musculares por dia.
– Não exagere nos exercícios cardiovasculares. Eles podem ser feitos até quatro vezes por semana, em sessões com, no máximo, trinta minutos.
– Tire proveito do ciclo menstrual. Nos dias anteriores à ovulação, o corpo está mais apto a ganhar massa muscular. Depois da ovulação, é mais fácil queimar gordura.

Fonte: OBID