Empresário comandava tráfico em quatro Estados

Uma ação conjunta entre a Polícia Federal do Rio de Janeiro e a Polícia Civil do Maranhão denominada Operação Ciclone resultou na prisão do empresário Douglas Lafayete Julião, um dos proprietários da Wall Street Câmbio e Turismo. Douglas e seu sócio Rogério Siqueira Azambuja são acusados de envolvimento com uma quadrilha de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro que atuava em quatro Estados. Rogério encontra-se foragido.
Com Julião, que aparece nas investigações como contador da quadrilha, foram apreendidos documentos que serão utilizados nas investigações. Também foram apreendidos US$ 23 mil em São Luís.

A Polícia Federal conseguiu provas definitivas contra os sócios graças a escutas telefônicas autorizados pela Justiça. O próximo passo será a quebra do sigilo bancário dos envolvidos e a averiguação da forma de utilização da casa de câmbio nas ações do tráfico.

A prisão preventiva dos proprietários Wall Street, assim como o mandado de busca e apreensão, expedidos pela 2ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, são braços da Operação Ciclone, deflagrada pela Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro com o objetivo de desarticular uma das maiores quadrilhas de tráfico de drogas em atuação.

As investigações, feitas pela Delegacia de Repressão a Entorpecentes, depois de nove meses, identificaram os focos da quadrilha em quatro Estados: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro e Maranhão, onde já foram presas nove pessoas.

Segundo do delegado Jáder Machado Amaral, do Departamento de Polícia Especializada (DPE), Rogério Azambuja é matogrossense e há três anos reside no Maranhão. “O Rogério sempre utilizou negócios aparentes para camuflar sua verdadeira atividade que é o tráfico de drogas e a lavagem de dinheiro”, explica.

Douglas Lafayete, aparentemente calmo diante da situação, alega inocência. “Conheço o Rogério há pouco mais de um ano e somos sócios há apenas 45 dias. Não sei nada sobre seus negócios ilegais e nem sei do que, exatamente, estou sendo acusado”, garante o empresário.

O delegado Jáder Machado diz que Douglas será transferido para o Rio de Janeiro. Ele enfatiza a importância da participação da polícia maranhense e o empenho do gerente de Segurança, Raimundo Cutrim, que deram apoio técnico à ação da Polícia do Rio.
Fonte:Agência Nordeste