Como entender o uso de drogas entre adolescentes?

Diariamente, pais e mães alarmados assistem às desventuras de Mel e Nando, os dois adolescentes da novela O Clone que enfrentam sérios problemas pelo abuso de drogas. Além do martírio dos dois jovens bem-nascidos, o público também confere histórias reais de adolescentes de todas as classes sociais, em tratamento contra a dependência química.

Mas até que ponto histórias como as deles refletem as condições gerais dos jovens que usam drogas? Será que apenas os jovens com problemas familiares ou com amigos drogados procuram as drogas? Será que poucos meses depois de fumar o primeiro baseado, o jovem vai começar a roubar os pais e os amigos?

“Cada ser humano tem uma história diferente, não existe uma fórmula que explique como, porque ou com que conseqüências um jovem procura as drogas”, afirma o psicoterapeuta Flávio Gikovate, autor de livros como Drogas – Opção de Perdedor e A Arte de Educar. “No entanto, é possível dizer que o abuso de drogas por adolescentes é uma das conseqüências da cultura imediatista, desapaixonada e carente de novas idéias que vivemos nos últimos anos”, afirma. Gikovate também destaca que a dependência das drogas não difere de outras como o comer ou o consumo compulsivo, que também cresceram muito nos últimos anos. “Vivemos numa sociedade que estimula a dependência, e que reprime os gestos autônomos com muito rigor, fazendo com que as pessoas busquem conforto em algo de que dependam”.

Especialmente nas últimas décadas, em que as drogas viraram moda, diversas pesquisas científicas tentam identificar os motivos pelos quais o ser humano recorre às drogas: seria a influência do grupo, a insegurança diante da vida, a necessidade de aplacar a dor ou a fome, a busca do prazer? “Na verdade, o homem pode buscar a droga por todos esses motivos. Mas, entre os adolescentes, a droga tem uma relação direta com a falta de perspectivas, com o tédio, com a dificuldade de lidar com a vida de forma responsável. Não se sabe ao certo se esses aspectos são a causa ou o efeito da droga, mas o adolescente com pouco interesse pela vida e pelos relacionamentos humanos está mais propenso a procurá-las”.
Fonte: Terra