Luiz Caldas conta para jovens luta para abandonar o cigarro

O relato sincero e emocionado do cantor e compositor Luiz Caldas sobre a luta que travou para deixar de fumar foi o momento mais marcante do evento promovido ontem pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), na Biblioteca Pública dos Barris, como parte das comemorações do Dia Nacional de Combate ao Fumo, que acontece no próximo dia 31

“Eu comecei a fumar cedo, aos 11 anos de idade, sempre de forma intensa e compulsiva. Cheguei a consumir três maços de cigarro por dia e hoje tenho a consciência que, se não tivesse parado, estaria morto ou com a saúde muito debilitada”, revelou o artista.

Segundo a superintendente de Vigilância e Proteção à Saúde da Sesab, Conceição Riccio, os jovens de hoje têm o conhecimento e a ajuda necessária para não se deixar vencer pelos males do fumo. Dirigindo-se a uma platéia de alunos dos colégios estaduais Góes Calmon, Senhor do Bonfim e Magalhães Neto, a superintendente lembrou que, num passado não muito distante, o cigarro era visto de forma glamourosa no cinema, no teatro e na TV, ou associado à prática de esportes. Neste cenário, o tabaco fez mais de um milhão de vítimas no país nos últimos 30 anos.

“Os jovens de hoje, diferentemente dos pais, sabem que o fumo faz mal, mas mesmo assim continuam fumando”, completou a coordenadora do Programa Estadual de Controle do Tabagismo, Terezinha Paim. Ela anunciou ainda que a Bahia possui duas unidades públicas voltadas para o acompanhamento de fumantes. Estas unidades, que funcionam no Centro de Estudos e Terapia do Abuso de Drogas (Cetad) e no Ambulatório Magalhães Netto, da Universidade Federal da Bahia, estão referenciadas pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca) para dar acompanhamento e apoio, inclusive medicamentoso, aos fumantes.

Sociabilidade – Após assistir ao depoimento de Luiz Caldas, o pneumologista Francisco Hora afirmou que todo o esforço para prevenir os jovens sobre o perigo do cigarro é de suma importância, uma vez que as doenças respiratórias são a terceira maior causa de internamento na rede do Sistema Único de Saúde (SUS) na Bahia. “Um dos fatores que favorece o início do tabagismo é sua aceitação social”, disse Hora. “Por isso estamos procurando criar uma consciência crítica nos jovens desde cedo”, completou Conceição Riccio.

Amanhã, às 10h e às 15h, serão realizadas palestras sobre as conseqüências danosas do tabagismo para alunos do Centro de Educação Desportiva de Formação Profissional (CETP), na Suburbana. No mesmo dia, às 10h, acontecerá um seminário sobre saúde e educação em Simões Filho. O evento dará ênfase ao tabagismo.

A programação continua em 27 e 28 de junho, das 11h às 14h, no restaurante do Sesc, no Comércio, onde haverá bate-papo on-line com especialistas, distribuição de material educativo e brindes para cerca de 1,7 mil pessoas que freqüentam diariamente o local.

Em 31 de junho, diversas instituições, escolas, unidades de saúde e locais de trabalho estarão realizando atividades comemorativas, como concursos de frases e desenhos, exposição com cartazes, caminhadas, palestras e inclusão de mensagens contra o fumo nos contracheques de funcionários.
Fonte: Correio da Bahia