Estudo afirma que cigarro afeta todo o organismo

Fumar causa uma gama de doenças das quais nunca se suspeitou, incluindo catarata, leucemia mielóide aguda e câncer cervical, renal, pancreático e estomacal, informou ontem o secretário da Saúde dos Estados Unidos, Richard Carmona.
“Na verdade, o cigarro afeta praticamente todos os órgãos do organismo”, disse Carmona no mais recente relatório do Departamento de Saúde sobre o tabagismo. “Sabemos há décadas que fumar é ruim para a saúde, mas este relatório mostra que é ainda pior”, disse ele em entrevista coletiva.

“As toxinas do cigarro vão para todas as partes do fluxo sanguíneo. Espero que esta nova informação ajude a motivar as pessoas a pararem de fumar e a convencer os jovens a não começar.”

O relatório coincide com um estudo do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA que mostra que, em 2002, 22,5% dos adultos norte-americanos se consideravam fumantes, um ligeiro declínio em relação a 2001. Essa diminuição não basta para que o país atinja a meta de ter menos de 12% de fumantes em 2010, conforme foi definido pelo Departamento de Saúde.

O cigarro mata cerca de 440 mil norte-americanos por ano, segundo Carmona. De acordo com ele, homens que fumam vivem em média 13,2 anos a menos. Entre as mulheres, a expectativa de vida diminui 14,5 anos.

O tabagismo custa U$ 157 bilhões anuais para o pais, dos quais R$ 57 bilhões vão para custos médicos diretos e o resto em perda de produtividade. As pessoas mais pobres e menos instruídas continuam sendo as que mais fumam e, por essa razão, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças sugere que esses grupos sejam prioridade nas campanhas de esclarecimento.

Quase um terço dos adultos que vivem abaixo da linha de pobreza nos EUA fumam. Ente os que estão acima da linha, 22% são fumantes. Um em cada quatro homens americanos fuma e uma em cada cinco mulheres.

A pesquisa do Centro de Controle e Prevenção ouviu 31 mil norte-americanos e concluiu que 28,5% dos jovens de 18 a 24 anos têm esse hábito. Entre as pessoas com mais de 65 anos, só 9,3% fumam.

A entidade estima que 45,8 milhões de norte-americanos eram fumantes em 2002 e que 41% deles já tentaram abandonar o vício pelo menos uma vez. Para ajudar essas pessoas, Carmona destacou programas corporativos como o da empresa Union-Pacific, chamado “Butt Out and Breathe” (algo como “jogue a bituca fora e respire”), que teria reduzido de 40 para 27% o número de funcionários fumantes entre 1992 e 2003.

Alguns grupos dizem que o governo deveria ser mais duro com as indústrias de cigarros. “Em nível federal, um bom lugar para começar seria pelas propostas pendentes no Congresso para dar poderes à Administração de Alimentos e Drogas para que regulasse o tabaco da mesma forma que regula outros produtos”, disse o executivo-chefe da Associação Americana do Coração, M. Cass Wheeler. Na opinião dele, os Estados deveriam elevar os impostos sobre os cigarros e proibir seu consumo em todos os lugares públicos.

A Campanha para as Crianças Livres do Tabaco concordou, mas se mostrou pessimista. “A liderança da Câmara está tramando mais um acordo de bastidores para proteger a indústria do tabaco, enquanto deliberadamente evita qualquer ação que reduza a taxa de mortalidade pelo tabagismo”, disse o presidente da entidade, Matthew Myers.
Fonte: Terra