Acre já atende dependentes químicos em unidade de urgência

Estado é o primeiro do Brasil a ter atendimento diferenciado para desintoxicação em unidade de emergência. Medida inédita é reconhecida pelo Ministério da Saúde.

O Hospital Geral de Clínicas, em Rio Branco passa a ter uma ala específica para dependentes químicos. O Serviço de Desintoxicação de Álcool e Outras Drogas Simone Maria Teles tem capacidade para 18 leitos, mas está atendendo, a partir de hoje, com 12. O Acre é o primeiro Estado da federação a ter esse tipo de atendimento em uma unidade como o Hospital Geral.

Até a criação do Serviço de Desintoxicação, os dependentes químicos eram mantidos no Hosmac (Hospital de Saúde Mental do Acre). O ambiente do Hosmac, segundo especialistas, não é considerado “apropriado” para as pessoas que tentam se desintoxicar. “São pacientes, do ponto de vista clínico, muito diferentes e devem ser tratadas em ambientes diferentes. Se o que tem a ser feito é o melhor a ser feito, então nós aceitamos o desafio e trouxemos essa unidade para o Hospital Geral de Clínicas”, avaliou o diretor-geral do Hospital de Clínicas, Thor Dantas. No entanto, Dantas fez questão de diferenciar o tipo de trabalho que será feito no serviço de desintoxicação para que não ocorra o problema que ocorreu em outros Estados. “No Rio de Janeiro, por uma medida judicial atrapalhada, os dependentes químicos, da noite para o dia tiveram que ser transferidos para os pronto-socorros e foi um caos geral”, lembra o gerente geral do HC.

A opinião de Dantas é compactuada pelo diretor do Hosmac, o psiquiatra José Rosa Paulino. “Isso aqui é uma conquista de muitas pessoas. Essa separação entre dependentes e psicóticos era desejada por vários setores da saúde pública e agora o desafio foi aceito pelo Governo do Estado que deu todo o apoio. Posso dizer que hoje foi um dia histórico para a psiquiatria do Acre”, informou Paulino.

O governador Jorge Viana esteve presente à inauguração, junto com o secretário de Cidadania e Assistência Social, Raimundo Angelim. “O melhor que a gente pode fazer é aliar a solidariedade com os recursos técnicos que dispomos. Temos que ajudar de todas as maneiras possíveis. O problema das drogas é um mal que atinge todas as classes, mas, para quem não tem dinheiro, há outros fatores que complicam mais ainda a situação”, afirmou.

Viana fez questão de ressaltar que tem contado com o apoio decisivo do senador Tião Viana, cujo mandato está a serviço da saúde pública do estado. Lembrou ainda, que no tempo em que era prefeito de Rio Branco a equipe da prefeitura, sob sua coordenação, criou um projeto que é referência até hoje no atendimento e assistência a dependentes químicos. “O programa Arco-Íris foi criado por nós, quando ainda estávamos na prefeitura”, disse. “Nós estamos tentando entender as doenças da nossa sociedade, e as drogas, no contexto em que são consumidas, são uma doença da nossa sociedade.”

Uma equipe do Ministério da Saúde visitou os leitos na semana passada e avaliou que o Serviço de Desintoxicação Simone Maria Teles “é um dos melhores da região norte” e que será o primeiro a ser criado pela portaria do ministério que regulamenta a prestação desse tipo de serviço nos hospitais de urgência. Essa não é uma medida simples de se realizar. “Não se trata de apenas mudar o local de atendimento. Um espaço como esse, dentro de uma unidade de emergência e urgência como o Hospital Geral de Clínicas e com uma equipe multidisciplinar para atender aos dependentes não é algo que se ganha é algo que se conquista”, disse a Coordenadora Estadual para Saúde Mental, Sandra Ortiz.

O presidente do Conselho Estadual de Entorpecentes, Mário Elder, reforçou a idéia de Ortiz quando confirmou o comprometimento do atual secretário Estadual de Saúde quando ainda “apenas” fazia parte do Conselho Estadual de Saúde. “Isso aqui é desejado, desde o tempo em que o Cassiano era apenas um conselheiro”, lembrou Élder, antes de enfatizar que “outras conquistas são necessárias para tratar o número de dependentes que vem mantendo uma tendência de alta nos últimos tempos”.

As instituições que oferecem assistência psicológica aos dependentes poderão continuar seus trabalhos normalmente no Serviço de Desintoxicação, levando em conta a necessária adequação ao espaço físico. A entrada dos beneficiados pelos serviços será feita pelo mesmo local do serviço de Urgência (na Avenida Nações Unidas). Atendem no Serviço de Desintoxicação Maria Simone Teles uma equipe composta por assistentes sociais, psicólogos, um médico exclusivo para o serviço de psiquiatria, nutricionista. “Isso demonstra que o Governo do Estado do Acre leva a sério a Política Nacional Anti-Drogas e encara esse problema como um problema de saúde pública”, afirmou o Secretário Estadual de Saúde, Cassiano Marques.

Quem foi Simone Maria Teles?

Simone Maria Teles foi uma Assistente Social que dedicou sua vida á causa dos excluídos. Era funcionária da Secretaria de Estado de Educação e, nós últimos anos, dedicava atenção especial à questão da saúde como uma questão educacional. O último local de trabalho foi no Hospital de Saúde Mental do Acre.
Fonte: Página 20