Caminhada pela vida longe do cigarro reúne centenas de pessoas

Aconteceu na manhã de ontem, a II Caminhada pela vida longe do cigarro. A atividade foi realizada pelo setor de Saúde Escolar da 6ª CRS (Coordenadoria Regional de Saúde). Da atividade, participaram, centenas de alunos das escolas de Passo Fundo.
A caminhada teve início na 6ª CRS e foi encerrada no estacionamento do Bella Città Shopping Center, onde foram realizadas diversas atividades artísticas, entre elas, a apresentação da companhia teatral Metamorphosys, premiação e sorteio de brindes (incluindo uma bicicleta, bolas e camisetas) para os participantes.

As entidades promotoras formaram uma comissão julgadora e escolheram os destaques da II Caminhada pela vida longe do cigarro entre as escolas e entidades participantes. Dessa forma, a escola Protásio Alves integrou a caminhada com o maior número de participantes. A maior animação ficou por conta do Clube dos Aventureiros. Em criatividade, destacou-se a escola Monte Castelo, e a melhor mensagem foi do Centro de Ensino Médio da Universidade de Passo Fundo.
Segundo a coordenadora do projeto Acenda esta idéia: apague o cigarro!, Mirian Ferrari, essa atividade foi realizada para marcar o Dia Mundial sem Tabaco, 31 de maio, que nesse ano tem como tema Tabaco e pobreza: o círculo vicioso. De acordo com informações divulgadas pela Organização Mundial da Saúde mostram que o consumo de cigarros é maior nos países pobres do que entre os ricos. Oitenta por cento dos fumantes em todo o mundo (1,2 bilhão de pessoas) vivem em países em desenvolvimento. Dos 100 mil jovens, que começam a fumar a cada dia, 80% são de países pobres.

Em termos nacionais, o hábito de fumar também é mais comum entre os mais pobres. A pesquisa de orçamento familiar do IBGE(2002/03) mostra que as famílias com orçamento mensal menor ou igual a R$ 400 gastam quase cinco vezes mais da renda familiar com tabaco do que as famílias com renda acima de 6 mil reais. Também mostra que nas famílias com renda mensal menor ou igual a R$ 400, as despesas com fumo são quase duas vezes maiores do que o despendido com educação.
De acordo com o Ministério da Saúde, o preço do cigarro no Brasil, o sexto mais barato do mundo, é estimulante para a manutenção do vício e o aumento de tabagistas. O preço do fumo é mais baixo graças ao baixo custo da produção em especial da mão-de-obra da fumicultura. Segundo o ministério, mais de 500 mil famílias brasileiras trabalham na lavoura do fumo.

A dependência entre os mais pobres e as formas de exploração da mão-de-obra, fez com que o Banco Mundial reconhecesse, há mais de 10 anos, que o tabagismo é um fator que agrava a pobreza e impede o desenvolvimento sustentável. A Ameplan (Associação Médica do Planalto), pelo terceiro ano consecutivo, realiza o projeto Acenda esta idéia: apague o cigarro!, em comemoração ao Dia Mundial sem Tabaco. Esta é uma parceria da Ameplan com a Faculdade de Medicina da UPF (Universidade de Passo Fundo), 6ª CRS (Coordenadoria Regional de Saúde), prefeitura, 7ª CRE (Coordenadoria Regional de Educação), Bella Città Shopping Center além de outras diversas empresas e entidades.
Fonte: O Nacional