Vírus pode ajudar a reabilitar viciados em cocaína

Cientistas criaram um vírus que poderia ajudar na recuperação de viciados em cocaína.

Os pesquisadores já haviam desenvolvido proteínas capazes de reduzir o efeito da droga. Mas tinham dificuldades para fazer as proteínas ultrapassarem os mecanismos de defesa do corpo.

O novo método utiliza um vírus para enganar os anticorpos e produzir as proteínas nos locais onde elas surtem maior efeito.

O estudo, realizado pelo Instituto de Pesquisa Scripps, nos Estados Unidos, foi publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences.

A equipe injetou o vírus dentro do nariz de ratos duas vezes por dia ao longo de três dias. No quarto dia, os ratos receberam uma aplicação de cocaína.

A droga aparentemente surtiu menor efeito sobre os ratos que haviam recebido o vírus que naqueles que não haviam sido tratados antes.

Eles apresentaram menos sinais de comportamento associados ao uso da cocaína, como fungar ou ficar em pé sobre as patas traseiras.

Os cientistas acreditam que o trabalho traz provas de que o vírus pode ultrapassar as defesas que protegem o sistema nervoso central dos ratos e começar a produzir as proteínas onde elas têm máximo efeito.

As proteínas são preparadas para grudar nas moléculas de cocaína, ou para alterar a sua composição química.

O estudo mostrou também que esse vírus, conhecido como fago, pode ser injetado repetidamente sem causar efeitos colaterais.

Embora os autores tenham afirmado que a descoberta é importante, um porta-voz da organização não-governamental DrugScope pediu cautela.

“Os dependentes de drogas em geral experimentaram problemas sociais e psicológicos que contribuíram para os seus vícios. É preciso lidar também com esses fatores para que a reabilitação seja bem sucedida”, declarou o porta-voz.

“Caso contrário, o usuário pode simplesmente mudar para outras drogas para ajudá-lo a enfrentar esses outros problemas subjacentes.”
Fonte: BBC Brasil