ONU: 3% da população mundial usa drogas ilícitas

No mundo todo, de cada 100 pessoas, três são usuárias de drogas ilícitas. A afirmação é do Relatório Mundial sobre Drogas de 2004, realizado pela ONU (Organização das Nações Unidas). De acordo com o estudo, que será lançado oficialmente na manhã desta sexta-feira, em Brasília, 185 milhões de pessoas usam drogas no mundo.

De acordo com Giovanni Quaglia, representante do Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime para o Brasil e Cone Sul, o Brasil está dentro da média mundial em relação ao número de pessoas que usam drogas ilegais. ?O Brasil tem indicadores que quando somamos todas as drogas ilegais, chegamos algo em torno de 2,5% a 3% da população que fazem o uso de drogas ilícitas. Então está dentro da média?, afirmou.

A pesquisa revela ainda que a maconha é a substância mais usada no mundo ? 146 milhões de usuários, seguida por anfetaminas e estimulantes. Apesar disso, os opiáceos (substâncias ligados ao ópio, como a morfina e a heroína) continuam sendo as drogas mais problemáticas e que mais causas danos à saúde. No Brasil, a maconha atinge 1% da população ? o equivalente a 1,7 milhão de pessoas, mais do que no México e menos do que no Reino Unido e nos Estados Unidos.

Já a cocaína é a segunda droga mais usada no país. De acordo com o relatório, 680 mil pessoas, ou 0,4% dos brasileiros, utilizam esta droga. O número é superior ao do Uruguai e menor do que na maioria dos países pesquisados, como os Estados Unidos e a Espanha. A produção de cocaína diminuiu 30% nos últimos quatro anos, mas o consumo, por enquanto, só caiu significativamente nos Estados Unidos.

O problema pode se agravar na América Latina, informou o estudo. “Nos outros países, o mercado, já podemos dizer, que chegou à saturação. Os traficantes vão prestar mais atenção aos países onde o consumo é baixo e onde há uma população jovem muito grande, como é o caso do Brasil”, alertou Quaglia.

Além de ressaltar que outras drogas, como os estimulantes, também causam problemas, a ONU afirma que quem mais precisa de atenção são os 13 milhões de usuários de drogas injetáveis em todo o mundo. Pelo menos a metade já está contaminada pelo vírus HIV. Segundo a pesquisa, em alguns países, o índice de contaminação chega a 90%. Neste caso, o Brasil é citado pelo relatório como um exemplo para o mundo, pois iniciativas como a troca de seringas e a distribuição de camisinhas reduziram pela metade a contaminação.

O relatório traz dados atualizados sobre a produção, o tráfico e o consumo de drogas ilícitas em todo o mundo. Também será divulgado um ranking sobre o consumo de drogas pela população. O lançamento do documento marca o Dia Internacional contra o Abuso e o Tráfico Ilícito de Drogas, comemorado neste sábado (26).
Fonte: Diário