“Encontro com Arte” veta inscrição a quem diz não fumar

Tem início hoje um raro encontro. Trata-se do “Encontro com Arte”, que no seu lançamento, no último dia 8, foi anunciado como “Carlton Encontro com Arte” e, depois de notificação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), teve seu nome alterado para a forma sem o nome da marca de cigarro, por conta da legislação que proíbe o patrocínio de eventos culturais ou esportivos por fabricantes de cigarro.

O encontro, cujo ponto central é uma mostra com trabalhos em grandes dimensões do artista norte-americano Frank Stella e do brasileiro Nuno Ramos, é raro pois será aberto apenas a fumantes, de hoje a 7 de julho, dias em que ocorrem debates com os artistas, festas e lançamento de catálogo. Entre 8 a 11 de julho, a exposição será aberta para o público em geral.

Com isso, a melhor parte da programação do evento, como a conversa com Stella e Ramos, amanhã, às 20h, só poderá ser acompanhada por fumantes, o que tem frustrado muitas pessoas não-fumantes que tentaram se cadastrar no evento, cujo nome apropriado seria encontro de fumantes com a arte.

“Acho estranho ter que se inscrever num evento de arte sem que os critérios sejam explícitos. É antidemocrático ser recusado por dar uma resposta errada”, diz a crítica de arte Taísa Palhares, que não foi aceita para o evento. No anúncio do evento, quando questionado sobre tal situação, Ramos afirmou que sua preocupação era não haver limites ao seu trabalho.

Para ser convidado a participar dos eventos fechados, é necessário preencher um formulário pelo site www.encontrocomarte.com.br. Quem se cadastrou e indicou que não é fumante ou não quer receber propaganda de marca de cigarro recebeu uma mensagem-padrão que afirmava: “É importante que você saiba que o “Encontro com Arte” é uma comunicação de marca de cigarro direcionada a fumantes”.

Em seguida, a mensagem explicava que, quando no cadastro a opção foi não fumar ou não querer receber propaganda de cigarro, tal “resposta nos impede de estabelecer outros contatos com você, pois, por se tratar de comunicações de cigarros, não é possível fazê-las para pessoas que não aceitem recebê-las”.

Com isso, somente fumantes e pessoas que querem receber propaganda poderão participar dos eventos durante o ciclo fechado, que inclui personalidades como o arquiteto Paulo Mendes da Rocha, a jornalista Mônica Waldvogel, os cineastas Arnaldo Jabor e Hector Babenco, e os críticos Rodrigo Naves, Agnaldo Farias e Ronaldo Brito, entre outros.

Na semana passada, a galeria Fortes Vilaça, espaço que representa comercialmente Ramos, fez circular um e-mail informando sobre o sistema de cadastro para participar do evento, afirmando que “como este é um evento patrocinado pela Souza Cruz, ao preencher o formulário, você [deve] responder “sim” para as perguntas “você é fumante?” e “você aceita receber…?”, desta forma os convites serão encaminhados”.

Assim, a galeria indica uma forma de burlar a restrição da participação aos fumantes. Segundo a assessoria de imprensa do evento, a Souza Cruz não se responsabiliza por tal mensagem. Já a Anvisa, informada sobre tal procedimento, está estudando se há infração em relação a tal mensagem, segundo sua assessoria técnica.
Fonte: Folha