Terapia Comunitária

De acordo com pesquisa realizada pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas, 19,4% da população brasileira já fizeram uso de drogas em alguma etapa da vida, excluindo o consumo de álcool e tabaco. Ainda segundo a pesquisa, a dependência de drogas afeta usuários e familiares. Em uma projeção do número de dependentes (14% da população) e o tamanho médio da família brasileira (3,4 pessoas), o centro calcula que 47,6% da população é afetada pelas conseqüências da dependência de drogas.

Tendo em vista que o consumo de entorpecentes atinge tanto o usuário quanto familiares e todo o corpo social que o cerca, os Centros de recuperação de dependentes estão trabalhando com modalidades de tratamento que procuram tratar não só corpo biológico, mas também o corpo social, a exemplo da ?Terapia Comunitária?. De acordo com a psicóloga Míriam Carmem Rivalta Barreto, a Terapia Comunitária surgiu há 18 anos no estado do Ceará, como alternativa para abordar questões sociais, onde a comunidade tem espaço para falar dos seus problemas, ?daquilo que está tirando o seu sono?.

Na terapia comunitária a comunidade é estimulada a trocar suas experiências na busca de alternativas para resolver seus problemas, inclusive o uso de entorpecentes.

Para a Psicóloga, o uso da terapia comunitária no tratamento de usuários de drogas tem provocado um efeito sistêmico que atinge a rede onde o indivíduo está inserido, como a família e comunidade. ?O que estamos observando é uma diminuição dos conflitos familiares e a possibilidade do usuário rever seu estilo de vida, onde ele descobre que precisa das pessoas, mas não é dependente das mesmas, e tão pouco das drogas?.
Fonte: Folha Popular