Fumo passivo era mal avaliado

O risco de doenças cardíacas para fumantes passivos era até agora subestimado, informa a revista New Scientist. Um novo estudo propõe que o risco de desenvolver doenças cardiovasculares em função do fumo passivo é na verdade o dobro do que se imaginava. Antes acreditava-se que as chances de pessoas que não fumam que vivem com fumantes sofrerem destas doenças era de 20% a 30%. A pesquisa, realizada por duas escolas de medicina britânicas, mostrou que o risco é de 50% a 60%.

A análise foi feita apenas em não-fumantes que moram com pessoas que fumam. Pode haver diferença de resultados, por exemplo, em pessoas que convivem no trabalho ou em outros lugares com fumantes.

Entre 1978 e 1980, mais de 2 mil ingleses homens, com idades de 40 a 59 anos, fizeram exames de sangue para detectar substâncias provenientes da nicotina.

Os homens eram divididos em quatro grupos de acordo com as taxas destas substâncias no sangue. E a partir desta primeira marca, a incidência de doenças do coração foi medida ao longo de 20 anos. Foi nesta investigação que se descobriu que o risco é bem maior do que se pensava.

Peter Whincup, da Escola de Medicina St. George, diz que viver com alguém que fuma é fator importante para desenvolver as doenças. Mas se deve levar em conta as exposições adicionais no trabalho e em lugares públicos, particularmente bares e restaurantes.

Hoje, a Associação Médica Britânica apresenta ao primeiro-ministro Tony Blair 4,5 mil cartas de médicos pedindo que seja proibido fumar em lugares públicos.

Estamos defendendo restrições para o fumo passivo, incluindo em lugares públicos, disse Whincup.

Mas os pesquisadores concordam que o risco hoje pode ser menor do que o indicado no estudo. Isso porque houve uma diminuição do fumo em lugares públicos e locais de trabalho.

A pesquisa não encontrou relações entre as substâncias que pesquisou no sangue e risco de derrame.

No mês passado, a New Scientist publicou que o fumo matava por ano 3,6 mil ingleses, o que englobava um barman ou servente de bar por semana.
Fonte: JB