PM suspende buscas a corpos de traficantes na Rocinha

A Polícia Militar do Rio suspendeu no fim da tarde de ontem as buscas aos corpos do traficante André da Costa Brito, o Zarur, e de cinco comparsas na mata da parte superior da Favela da Rocinha, na zona sul da cidade. Eles teriam sido mortos por ex-aliados, de acordo com informações do serviço de inteligência da Polícia Civil, numa disputa pelo controle do tráfico de drogas na favela em curso desde a morte do antigo chefe Luciano Barbosa dos Santos, o Lulu, em abril, pela polícia. Depois de três dias de trabalho com a ajuda de cães farejadores sem encontrar os corpos, a polícia decidiu esperar por informações mais precisas.

“Não vamos mais fazer esse tipo de operação. A comunidade não está colaborando com informações. Nem a família desse Zarur conseguimos localizar. Ninguém fala nada”, disse hoje o coronel Jorge Braga, comandante do Batalhão de Polícia Militar do Leblon, responsável pelo patrulhamento da Rocinha. De acordo com o tenente-coronel José Maurício Padrone, que comanda a força de 400 homens que se revezam no policiamento da Rocinha desde ontem(30), um grupo de policias vasculhou ontem a localidade conhecida como Laboriaux, acima do ponto onde morava Lulu. “Não encontramos nada, nem armamento. Sabendo que estamos vasculhando a área, os bandidos devem ter escondido o material que guardam na mata”, disse.

A notícia da morte do traficante Zarur, que assumiu o comércio de entorpecentes na parte superior da favela, por um aliado conhecido como Lion, está causando especulações na favela mas não atrapalhou o cotidiano dos moradores. O dia hoje foi tranqüilo na Rocinha.
Fonte: Jornal Hoje