Presidente da Federação de Musculação alerta para danos

Falta de informação. É assim que o presidente da Federação de Musculação do Ceará (Femusc), Bergson Luís Menezes, explica a utilização de anabolizantes por pretensos fisiculturistas. No comando da Federação (filiada a Nabba – National Amateur Body Buider Association), há sete anos, ele ressalta que sempre que se fala na utilização de substâncias proibidas associa-se à musculação, o que é um erro. “Para ser um atleta é necessário muita disciplina e estudo”, afirma.

Sobre o caso do vendedor autônomo, Antônio Roberto do Nascimento, internado desde o último dia 9, no Instituto José Frota, com um grave processo infeccioso na perna esquerda decorrente de injeções de óleo de cozinha, o presidente da Femusc explica que ele não era um atleta cadastrado.

“O anabolizante não está dentro do esporte profissional. Infelizmente, a maioria das pessoas que se diz fisiculturistas não procura a Federação, que é voltada para a competição”, afirma. Ele esclarece ainda que o controle antidoping nos campeonatos de fisiculturismo é extremamente rigoroso.

O ganho de massa muscular, de acordo com o vice-presidente da Femusc, Campeão Cearense, Norte-Nordeste e Brasileiro de Fisiculturismo, Henrique Melo, é algo lento e que exige dedicação integral. “As pessoas não acreditam quando digo que não uso anabolizantes. O que elas não sabem é que malho há 11 anos, tenho uma alimentação balanceada, acompanhada de suplementos alimentares e sigo um treinamento rigoroso. Além de ter disposição genética”, frisa. Em setembro próximo, Melo participa do campeonato brasileiro, uma seletiva para o Mister Universo, em outubro.

Os interessados em ter mais informações sobre o fisiculturismo podem ligar para a Femusc no (85) 286.0145 ou escrever para nabba?ce@yahoo.com.br.

CASO DO ÓLEO – Segundo a esposa de Roberto Medeiros, Adna dos Santos Pereira, já foram feitas três limpezas cirúrgicas na perna de seu marido. “Também já conseguiram estirar a perna. O atendimento que ele vem recebendo é muito bom. Mas o Roberto sente muitas dores. E os remédios para dor estão faltando no Hospital”, conta.

SERVIÇO -Medeiros precisa dos remédios Toragesic e o Profenid-ev. Os interessados em ajudar devem ligar para (85) 298.2174 e 8833.0373.
Fonte: Diário do Nordeste