Câmara do fumo discute comércio ilegal de cigarros

A Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Fumo, ligada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, se reúne hoje (28/07), às 14 horas, na sala de reunião do edifício-sede do MAPA, em Brasília, para discutir o comércio ilegal de cigarros. O setor informal de cigarros representa hoje 30% do mercado brasileiro e o comércio clandestino compromete R$ 1,4 bilhão em arrecadação de impostos.

Segundo dados da Secretaria de Apoio Rural e Cooperativismo do MAPA, cerca de 40 bilhões de unidades são comercializadas fora da lei – ou seja, um terço do mercado. Metade dos varejos do país, cerca de 170 mil estabelecimentos, vende produtos ilegais. “Sozinho, o estado do Rio de Janeiro perde R$ 97 milhões em ICMS e R$ 62,8 milhões em impostos federais por ano, afirma o assessor da SARC, Luis Carlos Folador.

O setor é um grande gerador de empregos diretos e indiretos. São 2,4 milhões de pessoas envolvidas na cadeia produtiva. Em 2003, as lavouras de fumo empregam mais de 900 mil pessoas e movimentaram cerca de R$ 13 bilhões. O fumo é uma importante fonte de divisas para o país, ocupando o segundo lugar na pauta das exportações do setor primário brasileiro. São 600 mil toneladas do produto embarcadas por ano, o que coloca o Brasil como líder no ranking internacional de exportações nos últimos oito anos. Dos R$ 13 bilhões gerados pelo setor, 49,3 % foram destinados ao pagamento de impostos. A indústria do tabaco contribuiu com R$ 6,4 bilhões para os cofres públicos no ano passado.

Na pauta da reunião, estão também a distribuição de renda proveniente do fumo entre os atores da cadeia produtiva, o financiamento para a cultura pelo Banco do Nordeste (BNB), além da apresentação de dados atualizados sobre a fumicultura brasileira.

A reunião será fechada. Ao final, o presidente da câmara, Hainsi Gralow, e o secretário-executivo, Francisco Signor, concedem entrevista à imprensa.
Fonte: Maxpress