Empresa responsável por limpeza de aeroporto contratou traficante

Investigação do Ministério Público do Estado do Rio e da polícia descobriu que 31 homens procurados, entre eles traficantes, trabalham na Rufolo Empresa de Serviços Técnicos e Construção, que presta serviços de limpeza à Infraero (Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária) no aeroporto internacional Maestro Antonio Carlos Jobim.

Como alguns funcionários da limpeza têm acesso a áreas restritas do aeroporto, polícia e promotores suspeitam que eles se empregavam na firma para roubar bagagens ou traficar drogas.

O caso surgiu com a condenação a oito anos e meio de prisão, na segunda, de Alexandre Isaias da Silva, o Xandico, por tentativa de homicídio. A defesa usou documento e testemunhas para indicar o vínculo do réu com a Rufolo. A promotora Fernanda Neves Lopes disse que Xandico foi contratado quando já tinha mandado de prisão por associação para o tráfico de drogas e participação em uma chacina no morro do Dendê, Ilha do Governador (zona norte), onde fica o aeroporto.

Orlando Araújo, assessor da diretoria da Rufolo, afirmou que a empresa só ontem soube do fato e que nunca houve problema com nenhum dos 420 funcionários que trabalham no Tom Jobim.

“Não sei dizer se ele [Xandico] é ou já foi funcionário. Fomos informados hoje [ontem] e estamos levantando as fichas desses funcionários. Se for comprovado que são criminosos, serão dispensados. Como eles não fazem serviços de vigia, por lei, não podemos checar se têm antecedentes criminais na hora de contratar”.

A Infraero informou que a Rufolo foi escolhida por licitação, que fiscaliza o cadastro das firmas contratadas e que a lista dos empregados da Rufolo foi submetida à Polícia Civil, sendo afastados funcionários com delitos graves.
Fonte: Folha