Tráfico pára caminhões de lixo

Por ordem de traficantes, 40 caminhões da Companhia de Limpeza de Niterói (Clin) ficaram parados o dia inteiro, ontem, com 150 toneladas de detritos na entrada do Aterro Sanitário do Morro do Céu, na Ititioca. Às 8h, bandidos avisaram aos funcionários: “Hoje, o lixão não abre, senão vamos quebrar tudo, botar fogo nos caminhões, dar tiro em todo mundo”. A represália foi pela morte de três moradores da favela, em tiroteio com uma quadrilha rival, à noite. Uma escola e uma creche fecharam, prejudicando 800 crianças.

Também ontem, o comércio em dez ruas perto do Complexo do Andaraí, Zona Norte do Rio, não funcionou por determinação de bandidos. Em Campos, Norte Fluminense, um bando atirou contra um carro da Companhia de Eletricidade do Rio de Janeiro (Cerj), quando funcionários iam cortar a luz de casas na Favela Baleeira.

O lixo da Zona Sul e do Centro de Niterói, coletados de madrugada, foram despejados. Já o da Zona Norte, recolhido pela manhã, ficou nas caçambas. Os funcionários da área administrativa da Clin que estavam no aterro durante o tiroteio se esconderam em cabines. Também fecharam por ordem do tráfico a Escola Municipal José de Anchieta e a Creche Municipal Girassóis, além do Centro Social Chico Mendes e do Centro de Controle de Zoonoses. Segundo moradores, ônibus da linha 26 da Auto Lotação Ingá (Caramujo-Centro) não circularam. A empresa negou o fato.

As três mortes são atribuídas a criminosos do Morro do Caramujo, que entraram no aterro pela mata. Um dos corpos era de Joiefferson Barreira de Lima, 17 anos, que, segundo a mãe, a catadora de lixo Rosimeri Barreira de Lima, 43, não era bandido: “Eles atiraram nas primeiras pessoas que viram na frente”. Uma mulher, não-identificada, com um tiro de fuzil no peito, estava no alto de uma pedra. O terceiro corpo, que parece ser de mulher, estava dentro de uma casa incendiada, carbonizado.
Fonte: O Dia