Conceitos básicos em dependência de álcool e outras drogas na adolescência

O uso de substâncias psicoativas para alterar as percepções, os sentimentos ou o comportamento é comum entre os jovens na sociedade ocidental: estudos desenvolvidos em todo o mundo indicam que 50% a 80% das crianças em idade escolar usam drogas lícitas ou ilícitas com propósitos recreacionais.

O entendimento das características do uso entre os jovens e dos fatores de risco poderiam auxiliar na prevenção, principalmente da evolução do uso experimental para o quadro de abuso e/ou dependência, evitando pior prognóstico.

Uma questão fundamental na adolescência é a separação e a individualização do adolescente em relação à família. O estresse e a ansiedade advindas dessa fase aumentam a vulnerabilidade dos adolescentes à pressão dos amigos. Se por um lado ganham autonomia em relação a seus pais, por outro lado adquirem uma forte aliança com seus colegas. Nesse movimento, a influência do grupo e a “modelagem”, isto é, a imitação de determinados comportamentos a partir de um ídolo, que em geral é o líder do grupo, tornam-se especialmente importantes. Comportamentos de risco fazem parte do processo e vêm associados a sentimentos de grandiosidade e de “onipotência juvenil”, freqüentemente acompanhados também de negação do potencial de morte inerente a esses comportamentos. Assim, o adolescente se baseia em, questiona, adapta e adota os modelos de comportamento adulto de que dispõe, sendo o uso de álcool, tabaco e outras drogas apenas mais um dentre vários modelos.
Fonte: GREA