Seqüestrador nega o seu envolvimento com drogas

O professor de História e envolvido no seqüestro do empresário Abílio Diniz, presidente do Grupo Pão de Açúcar, o cearense Raimundo Rosélio Costa Freire, 39 anos, negou seu envolvimento com o tráfico de drogas. Ele foi capturado por uma equipe da Delegacia de Repressão aos Entorpecentes (DRE) da Polícia Federal (PF), na tarde de anteontem, durante uma operação desencadeada na Praia de Barro Preto, Município de Aquiraz, Região Metropolitana de Fortaleza.

Na mesma operação foi capturado José Helton Cunha Sales, de 31, o “Tom”, proprietário de um sítio no Beco das Capoeiras. Ele acabou capturado na Rua Frei Marcelino, no Centro de Aquiraz e, no interior de seu carro os “federais” encontraram quatro pacotes contendo quase quatro quilos de cocaína pura. Perguntado onde residia, indicou aos policiais o sítio localizado na Praia de Barro Preto.

FLAGRADO – Os agentes da DRE seguiram para o local e lá encontraram Raimundo Rosélio, que ao perceber a presença dos policiais, ainda tentou fugir, mas foi logo capturado. No sítio as equipes da PF encontraram quase seis quilos da droga, uma balança de precisão, uma “trouxinha” de maconha, uma espingarda e 30 cartuchos de calibre 32. Rosélio recebeu voz de prisão e ambos foram conduzidos para a Superintendência de Polícia Federal.

Rosélio e Helton foram autuados em flagrante por tráfico de drogas (artigo 12 da Lei 6368/76) cuja pena varia de 3 a 15 anos de reclusão, pelo delegado Antônio Tarcísio Alves de Abreu Júnior. Durante as declarações que prestou na PF, o seqüestrador de Abílio Diniz negou ter conhecimento da existência de drogas naquele local e afirmou que estava no sítio de seu amigo para terminarem uma monografia da faculdade que cursam.
Fonte: Diário do Nordeste