Fumantes passivos estão sujeitos a doenças respiratórias e cardíacas

O fumo passivo vem matando milhões de pessoas em todo o mundo. De acordo com pesquisas cientificas já realizadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a fumaça do cigarro contém mais de 4.700 substâncias químicas prejudiciais a saúde. Uma das doenças mais conhecidas transmitidas pelo cigarro é o câncer de pulmão, seguido de derrame cerebral, leucemia, impotência sexual, e diversas doenças cardiovasculares.

Em Roraima, conforme a coordenadora do Programa de Controle de Tabagismo da Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), Henriqueta Alencar, o câncer de pulmão ocupa o terceiro lugar no ranking de doenças que mais matam, depois dos cânceres de colo de útero e pele. Ela disse, que a secretaria ainda não sabe quais os reais motivos que levam ao aparecimento desse tipo de doença [câncer de pulmão], mas ela acredita que estão ligados diretamente ao fumo.

“Basta o indivíduo ter 30 minutos de exposição a fumaça do cigarro, para que seja iniciado um processo de comprometimento do sistema cardiovascular, isso significa que tanto o fumante ativo como o passivo, estão sujeitos a ter câncer de pulmão no futuro ou outros males respiratórios”, explicou a coordenadora, afirmando que o cigarro é um agente poluidor ambiental.

GESTANTES – Henriqueta afirmou, que outra preocupação da secretaria é o fumo na gravidez. Durante esse período, as gestantes fumantes correrão um certo risco em ter abortos espontâneos. Muitas dessas crianças estão sujeitas a nascer com seqüelas que vão desde o baixo peso até problemas psicológicos.

“Já foi comprovada pelos cientistas que muitas das crianças nascidas de fumantes tem inúmeros problemas no aprendizado escolar comparado as sadias. Infelizmente, muitas mulheres ainda preferem assim mesmo emplacar o vício”, lamentou.

CAMPANHA – Segundo Henriqueta, a Sesau vem realizando inúmeras campanhas de prevenção, como as que são feitas nos dias nacionais de combate ao fumo. Ela disse ainda, que são realizados periodicamente trabalhos de ação educativa junto às escolas tanto da Capital como nos municípios.

PÚBLICOS – A coordenadora contou, que mesmo com a publicação da Lei Federal, 9.294 que dispõe sobre restrições ao uso de propaganda de derivados do tabaco, proibindo a utilização do cigarro em recinto coletivo, privado ou público, a população ainda não tomou consciência.

“Ainda é um dos problemas que mais enfrentamos no cotidiano, pois alguns indivíduos não respeitam a privacidade dos outros. Tem certos estabelecimentos em que existem áreas exclusivas para fumantes, mas mesmo assim a maioria não utiliza”, criticou, informando que são aplicadas notificações para quem infringir a lei.

LEI FEDERAL – Conforme Art.2º da Lei nº 9.294/96 e Art.2º do Decreto nº 2.018/96, é legalmente proibido o uso de cigarros, cigarrilhas, charutos, cachimbos ou qualquer outro produto fumígero, derivado ou não do tabaco, em recinto coletivo, privado ou público, com exceção dos locais destinados a fumantes. A lei trata também, sobre as restrições ao uso de propaganda que contribuem para a utilização do cigarro e outros derivados do tabaco, com aplicações de penalidades ao infrator, que vão desde a advertência até multa em dinheiro. No caso das infrações cometidas por fumantes em locais proibidos, as penalidades são aplicadas como forma de advertência.
Fonte: Folha