Expulso de casa pelo tráfico

Um homem que não repassava para o tráfico dinheiro arrecadado com a instalação de TV a cabo clandestina na Favela da Rocinha, em São Conrado, foi expulso do morro há aproximadamente um mês. Segundo investigações da 15ª DP (Gávea), ele cobrava R$ 50 dos moradores e não exigia pagamento de mensalidade, já que os bandidos não sabiam da instalação. Domingo, o DIA mostrou que cinco homens ? entre eles Luizinho do Valão e Siri, da Cidade Nova ? exigem R$ 30 para fazer a pirataria e R$ 12 pela manutenção do serviço. A polícia tenta localizar o técnico expulso, que está escondido numa favela da Zona Oeste, para intimá-lo a depor.

A polícia também vai convocar os responsáveis pela TV ROC. Segundo informações obtidas pela polícia, a emissora estaria sofrendo prejuízos com o esquema clandestino, já que cobra mensalidade maior, de R$ 38. O idealizador do projeto não foi encontrado pela reportagem para explicar o problema.

Desde o início do ano, o DIA vem noticiando que criminosos controlam mais do que as drogas nas favelas. O domínio vai da cobrança de pedágio a motoristas do transporte alternativo à venda de gás. Em fevereiro, reportagem mostrou que comerciantes e prestadores de serviço da Favela da Carobinha, em Campo Grande, são obrigados a pagar “imposto” para que o tráfico não os incomode. Domingo, além do pedágio sobre TV a cabo clandestina, o DIA revelou que visitantes do Morro dos Macacos, em Vila Isabel, são obrigados a apresentar carteirinha para entrar. Bandidos temem que invasores mapeiem a favela.

O Serviço Reservado da PM também investiga se traficantes dominam a venda de botijões de água na Rocinha e em Santa Cruz. No Vidigal, em São Conrado, a polícia recebeu denúncia de que, enquanto Patrick Salgado Souza Martins, da facção Comando Vermelho, controlava o morro, moradores tinham que pagar contas de água na associação de moradores, e bandidos cobravam ágio sobre os valores. Quando Aílton Francisco da Silva, o Toquinho, assumiu a favela, acabou com o esquema. Segundo agentes, Toquinho, desaparecido desde sábado, queria agradar a comunidade.
Fonte: O DIA