Alvos de traficantes de drogas

No fim de 2002, a empresa Oeste Ocidental foi obrigada a desativar duas linhas (812 e 813). Elas ligavam a Favela da Carobinha a Campo Grande e passaram a ser alvo constante de traficantes de drogas da comunidade, que ameaçavam incendiar os coletivos e violentar os passageiros. Logo após a desistência da empresa, os itinerários foram invadidos pelas Kombis da empresa J.Neto e outras ligadas ao crime organizado.

A invasão das linhas é apenas uma das modalidades da Máfia das Vans para assustar as empresas de ônibus e se apoderar de seus percursos. O objetivo é lucrar com as propinas que cobram do transporte alternativo. As brigas no setor também provocaram, nos últimos três anos, a morte de 66 pessoas no Grande Rio. As vítimas disputavam o controle das cooperativas que hoje comandam 16 mil vans e Kombis.
Fonte: O DIA