Brasil e Paquistão se unem contra as drogas

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva destacou que o acordo bilateral assinado ontem entre os governos do Brasil e do Paquistão na área de combate ao narcotráfico será importante para a repressão de ilícitos que financiam atos terroristas.

Durante almoço oferecido ao presidente do Paquistão, Pervez Musharraf, no Ministério de Relações Exteriores, Lula elogiou o trabalho que o governo daquele país vem desenvolvendo com o intuito de combater o terrorismo.

Lula também destacou como positivo o processo de reconciliação com a Índia, que Musharraf, junto com o governo indiano, tem feito. “O impacto desse gesto para a estabilidade no coração da Ásia e para a segurança internacional tem sido extraordinário”, afirmou Lula. Além do intercâmbio comercial, que deve ser intensificado nos próximos anos, os dois presidentes também conversaram sobre a coordenação no âmbito do G-20 e o combate mundial à fome e à pobreza.

Brasil e Paquistão deram o primeiro passo para estreitar as relações comerciais entre os dois países.

O presidente Lula e o presidente Musharraf assinaram acordo para consultas sobre assuntos de interesse comum, o que abre caminho para que as autoridades econômicas e diplomáticas de cada um dos países conheçam mais sobre a realidade de cada um. Até outubro, o Brasil exportou US$ 72 milhões para o país asiático e importou de lá US$ 4,9 milhões.

Comércio ? Segundo o secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Márcio Fortes, a idéia é estimular a aproximação de empresários brasileiros e paquistaneses, com o objetivo de aumentar a pauta de comércio exterior de ambos os países. Fortes sugeriu a criação de um conselho empresarial Brasil-Paquistão.

? Há uma necessidade de aproximação empresarial porque os dois países se conhecem muito pouco. Os números são muito baixos, muito pequenos (relativos ao intercâmbio comercial) e há interesse dos dois lados em aumentar as oportunidades ? disse o secretário-executivo.

Márcio Fortes afirmou que há oportunidades na área da produção de álcool combustível, já que o Paquistão é um grande produtor de cana-de-açúcar.

A pauta de exportações brasileiras para o Paquistão é composta de gordura animal, algodão e peças de tratores. “Essa aproximação tem que começar por uma consultoria. A pauta tem muitas oportunidades”, afirmou. Com a assinatura do acordo sobre assuntos de interesse comum, os dois países devem manter consultas periódicas com o objetivo de analisar a situação internacional e as relações Brasil-Paquistão. Foram assinados ainda acordos de combate ao tráfico de drogas, na área de segurança alimentar e nutricional, bem como combate à fome.

Também ficou acertado que portadores de passaportes diplomáticos de ambos os países estão isentos da retirada de visto quando em visita de até 90 dias.

Expansão ? O presidente Lula afirmou ontem, durante almoço oferecido ao presidente Musharraf, que os dois países vão impulsionar o intercâmbio econômico. Segundo Lula, a expansão do comércio bilateral que duplicou neste ano “é indicativa das grandes potencialidades existentes”.

? Sua visita ao Brasil reforça minha confiança no futuro de nosso relacionamento e na contribuição que podemos aportar para um ordenamento internacional menos assimétrico e para uma geografia comercial que melhor atenda aos nossos interesses ? ressaltou o presidente Lula.
Fonte: A Tarde