Alunos da rede municipal de ensino de Várzea Grande dizem não às drogas

Manterem-se afastadas do mundo das drogas e da violência. Este é o compromisso que cerca de 1,2 mil crianças matriculadas em 24 escolas da rede municipal de ensino de Várzea Grande estão firmando perante toda a comunidade escolar. Iniciadas na última quinta-feira, dia nove, as formaturas de 36 turmas de 4ª séries do ensino fundamental prosseguem até o próximo dia 21. As solenidades acontecem nas próprias unidades escolares e fazem parte do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (PROERD) que, neste semestre, está formando sua nona turma de pequenos cidadãos.

Graças à parceria firmada entre a Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SMEC) e a Polícia Militar do Estado de Mato Grosso, os alunos daquela série receberam instruções sobre os malefícios causados pelas drogas lícitas e ilícitas. “Entendemos que essa é uma das formas de se trabalhar a cidadania de quem está na escola e de quem vem a ela. Mais do que serem instruídas a dizerem não às drogas e à violência, as crianças aprendem sobre a importância de se valorizar a vida”, explica a coordenadora da divisão de programas e projetos da SMEC, Maria Auxiliadora Garção.

Com um caráter social preventivo, o PROERD foi criado pelo departamento da polícia de Los Angeles, nos Estados Unidos, em 1983. No Brasil, o programa existe há 14 anos. Desde o mês de agosto de 2000, a equipe de instrutores da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso passou a ministrar as aulas nas escolas municipais de Várzea Grande.

Este ano, 45 escolas localizadas na área urbana do município participaram do PROERD. Ao todo, 2,7 mil alunos de 4ª séries foram agraciados com o certificado de participação. Desde a sua implantação, há cerca de quatro anos em Várzea Grande, os instrutores do programa educacional já ministraram as aulas para 368 turmas ou 11,2 mil alunos matriculados nas escolas municipais.

Segundo o coordenador da equipe do PROERD/MT, Major Márcio Thadeu Firme, o sucesso da parceria deve-se ao apoio e ao suporte fornecidos pela SMEC. “Mesmo com a solicitação de inúmeras escolas das redes estadual e particular de Várzea Grande, como forma de agradecimento, trabalhamos apenas com as escolas municipais. Afinal, a Secretaria Municipal de Educação e Cultura “abraçou” o programa”.

Por meio da cooperação entre família, escola e Polícia Militar, o programa oferece atividades educacionais em sala de aula que primam pelo desenvolvimento das potencialidades das crianças, transformando-as em uma geração consciente de seu papel como cidadãs.

Nas unidades escolares, o início do programa é precedido por uma reunião com os pais, educadores e instrutores visando orientar e mobilizar a comunidade escolar sobre a importância da participação de todos no processo. Em seguida, ao longo de 17 semanas, as crianças e jovens têm aulas que ensinam técnicas de auto-controle e resistência às pressões de colegas e às formas de oferecimento de drogas por estranhos.

Além disso, as lições que compõem a cartilha do PROERD abordam assuntos cotidianos que auxiliam no desenvolvimento da auto-estima; no cultivo da felicidade, no controle das tensões e no florescimento da civilidade dos pequenos.

A Escolha – Hoje se sabe que o primeiro contato com as drogas acontece por volta dos 12 anos de idade, justamente a idade média dos estudantes da 4ª série do ensino fundamental. “Acreditamos que por estarem ingressando na pré-adolescência, as crianças na faixa etária entre nove e doze anos de idade são mais influenciáveis pelos colegas. Assim, realizando o trabalho de conscientização desde essa fase, no futuro teremos redução no índice de criminalidade e envolvimento com drogas”, completa a instrutora do PROERD Cabo Rita de Cássia Ferrari.

Policiais militares dão lição de dedicação

Ser voluntário; ter bom comportamento; facilidade de comunicação; criatividade, não ser fumante e não fazer uso abusivo de bebidas alcoólicas. Estes são os requisitos exigidos para que um policial militar transforme-se em um instrutor do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (PROERD).

Após a seleção, os futuros integrantes da equipe PROERD participam, durante duas semanas, do curso para formação de instrutores. Em caso de aprovação, o policial militar deverá dedicar-se à prevenção em todo o seu turno de serviço por, no mínimo, dois anos.

Fardados, os instrutores percorrem inúmeras escolas municipais de Várzea Grande. No decorrer de um semestre letivo, o temido policial militar vira professor e amigo. A rotina da sala de aula é quebrada, mesmo que uma vez na semana. Durante 60 minutos, os livros didáticos dão lugar à cartilha do programa educacional. Nela, os assuntos que muitos pais evitam conversar com seus filhos em casa, são abordados de forma objetiva. O instrutor assume o papel de professor, de pai.

Contudo, existem os problemas. Além de terem de ministrar, no mesmo dia, aulas em escolas distantes uma das outras, ainda enfrentam a incompreensão dos próprios colegas de corporação. Para o instrutor Tenente Cleiton Batista Teodoro a maior dificuldade ainda é o desconhecimento do assunto pela maioria dos alunos. “A falta de orientação vem de casa. É lamentável iniciar um trabalho que não tem continuidade extra classe. A questão das drogas e da violência é de responsabilidade de todos”, explica a importância da participação da comunidade escolar no programa.

Mediante tantas barreiras, há uma unanimidade entre os quatro instrutores que compõem a equipe que atua nas escolas do município: o reconhecimento das crianças. “A resposta de nosso trabalho é imediato. É possível perceber isso no comportamento de nossos alunos. Eles participam ativamente das aulas”, afirma Teodoro. Assim, explica-se a total dedicação dos instrutores do PROERD e o carinho dos alunos com os novos professores.
Fonte: 24 Horas News