Polícia fecha cerco ao ‘drive-thru’ da cocaína

Mais de 20 policiais civis fecharam ontem o quarteirão da rua Delmiro Gouveia, na Varjota, conhecido como “drive-thru da cocaína”. O titular da Delegacia de Combate e Repressão ao Narcotráfico (Denarc), Wilder Brito, tinha sete mandados de busca concedidos pela 1ª Vara de Tóxicos, mas nenhuma droga foi encontrada no local. Também não houve prisão em flagrante.

O tráfico de cocaína na rua Delmiro Gouveia, entre a República do Líbano e a Tavares Coutinho, foi denunciado pelo O POVO em 7 de junho deste ano. No dia seguinte à publicação, dois PMs passaram a fazer plantão no local, mas dois meses depois a polícia deixou o quarteirão e o tráfico voltou à ativa. No mês passado, O POVO voltou a presenciar a venda de cocaína na rua, publicando nova matéria no dia 16.

Um dia depois, o superintendente da Polícia Civil, Jaime de Paula Pessoa, determinou que a Denarc tomasse providência. Segundo Wilder Brito, antes de entrar com os pedidos de mandado de busca na Justiça, a equipe de inteligência identificou os traficantes e fez um mapeamento da região. O delegado não quis dizer quantas pessoas foram identificadas.

Apelidado de “Rua 24 horas” pelos usuários, porque funciona a qualquer hora do dia, o trecho da Delmiro Gouveia ficou vazia de drogas no horário que a polícia fez a busca, entre 16h30min e 17h50min de ontem. Das sete casas revistadas, em apenas três foram encontrados os proprietários. Todos já haviam sido processados por tráfico, mas não houve flagrante da venda.

Foram apreendidos apenas três celulares e um prato que, de acordo com o delegado, era utilizado para a confecção dos papelotes. O POVO apurou na rua Delmiro Gouveia que uma das supostas traficantes, que teve a casa revistada pelos policiais, seria namorada de um policial militar. Wilder Brito se disse satisfeito com a operação e negou a possibilidade de vazamento de informação.

“Nem os policiais sabiam que iam fazer a operação. Só souberam às 4 horas (da tarde)”, disse o delegado. “Estamos satisfeitos porque agora temos dados concretos para abrir inquérito. As operações vão continuar. Isso não é uma ação isolada”. A venda de cocaína, realizada no meio da rua, acontece há cerca de 10 anos, segundo os moradores. Os usuários recebem a droga dentro do carro, em sistema drive-thru.
Fonte: NoOlhar