As conseqüências da dependência alcoólica para o feto

A Síndrome Alcoólica Fetal é uma das principais causas conhecidas de retardo mental e defeitos físicos em criança. Ela é caracterizada por deformações faciais, retardo no crescimento e problemas no Sistema Nervoso Central. As crianças afetadas têm problemas de aprendizagem, memória, na atenção, na linguagem e audição. Com freqüência, estas condições afetam, de forma negativa, o desempenho escolar e social das crianças.

Este mal irreversível tem como ser evitado com uma atitude básica tomada por parte da mãe, a de não beber durante a gestação.

A criança recebe o álcool através da placenta e tem mais dificuldades de eliminar a substância do que sua mãe. Isto significa que o álcool tem mais tempo para atuar sobre este ser em formação cujo organismo é muito vulnerável. As lesões mais graves no feto acontecem durante o primeiro trimestre de vida da criança, pois é a etapa em que se forma o Sistema Nervoso.

Todas as bebidas que contêm álcool podem produzir dano ao feto. Uma lata de cerveja tem a mesma quantidade de álcool que uma taça de vinho, rum, brandy ou outro licor. Ainda, muitas outras bebidas têm porcentagens de álcool muito maiores do que a cerveja.

Não há tratamento para a Síndrome Alcoólica Fetal. Se alguém é diagnosticado com este problema só se pode tentar melhorar seu bem-estar e sua qualidade de vida.
Fonte:OBID