Pesquisa revela que tabaco é a droga mais consumida por crianças e adolescentes em situação de rua

Uma pesquisa nacional revela que o tabaco é a droga mais consumida no País por crianças e adolescentes entre 10 e 18 anos de idade.

A pesquisa foi feita pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas – Cebrid da Universidade Federal de São Paulo – Unifesp, a pedido da Secretaria Nacional Antidrogas – Senad e ouviu 2.807 crianças e adolescentes em situação de rua nos 27 Estados do País. Destas, 44,5% consumiram tabaco pelo menos uma vez no mês que antecedeu a pesquisa.

O álcool, de acordo com a pesquisa, é a segunda droga mais usada 43%. Em seguida vêm os solventes 28,7%, a maconha 25,4% e a cocaína e derivados 12,6%. A pesquisa foi realizada no segundo semestre de 2003.

O relatório também mostra que do total de jovens entrevistados, 68,8% vivem nas ruas, mas dormem em casa com a família.

Segundo a pesquisa, 42,6% do total dos entrevistados ou só os que vivem com a família estão na rua por motivo de diversão, sensação de liberdade ou porque não têm atividades; 37,7%, porque precisam se sustentar e também a família; e 2,6%, porque o adulto responsável usa álcool ou outras drogas.

Longe de casa

Dos 31,2% que não moram com a família, 45% saíram de casa porque as relações familiares eram ruins e 9,8%, porque o adulto responsável usava álcool ou outras drogas.

Escola

Cerca de metade dos 2.807 entrevistados, 55,8% estavam estudando, 41,7% pararam de estudar, e 2,5% nunca estudaram.

Políticas Públicas

O Secretário Nacional Antidrogas, General Paulo Roberto Yog de Miranda Uchôa, informou que os dados dessa pesquisa orientarão as políticas públicas setoriais relacionadas às drogas, aspecto que marcará a materialização de diretrizes do Presidente Lula, quando assumiu o Governo.

“Em fevereiro de 2003, o Presidente Lula levou a sua primeira mensagem ao Congresso e no capítulo relacionado à redução da demanda de drogas, já definia a necessidade de integração das políticas públicas setoriais sobre drogas”, ressaltou. (*) Uso no mês: ao menos uma vez que antecedeu a pesquisa
Fonte: OBID