Cresce número de casos com tráfico de drogas em Marília

A quantidade de ocorrências envolvendo apreensões e prisões por tráfico de drogas na região cresceu 8,4% em comparação ao ano passado, segundo dados fornecidos pela Delegacia Seccional, que agrega 14 municípios.
Na cidade o aumento dos casos foi de 30%, e ainda pode crescer, uma vez que ainda não estão computadas as ocorrências de dezembro de 2004.

“O problema central hoje é o entorpecente”, diz o subcomandante do 9º BPM/I (Batalhão de Polícia Militar do Interior), major Marco Antonio Alves Miguel. Segundo o major, o tráfico de entorpecentes aparece ligado a outros crimes, como o homicídio, roubo, furto e receptação.

Foram 88 casos registrados no ano de 2003 contra 114 registrados até novembro em 2004. Na média, foram 7,33 por mês ano passado contra 10,3 neste ano.

Além do número de apreensões, cresce volume de drogas recolhido na área urbana. Em 8 de outubro a DIG (Delegacia de Investigações Gerais) fez uma das maiores apreensões de droga dentro do município, com quase 154 quilos de maconha. Seis pessoas foram presas.

O delegado seccional, Roberto Terraz, afirma que a polícia retirado de circulação entre dez e 15 vendedores de drogas por mês. “Só em dezembro foram dez pessoas”, conta.

O tráfico também está relacionado com a prática de homicídios na cidade, entre eles o da ex-traficante Maria Aparecida Machadão, 57, morta no dia 3 de novembro com cinco tiros à queima roupa por causa de dívida de R$ 700 com outro traficante.

Segundo dados da Polícia Civil, 33 pessoas foram assassinadas em 2003 e 26 neste ano. Mas as estatísticas só computam casos em que a vítima morre no local. Ficam de fora situações em que o cidadão morreu dias depois no hospital. A quantidade homicídios, com esses casos, chega a 38.

Outro dado que chama a atenção nas estatísticas é o aumento do número de furtos. No primeiro semestre de 2004 foram registrados 2431 casos de furto contra 2384 do mesmo período de 2003.

A soma até agora chega a 4.573, fora os casos em que a população não registra o crime. No caso dos roubos foram 303 contra 270, mas não estão computadas as ocorrências de dezembro de 2004.

O índice de esclarecimento de furtos, segundo Terraz, é de 15% a 20%. “É a nossa maior dificuldade, porque são muitos.”

O comando da Polícia Militar aponta as regiões norte e sul com os pontos de maior incidência de criminalidade, principalmente a primeira, por ser a área onde reside a maioria dos suspeitos. (Márcio Zeni)

Fonte: Diário de Marília