Espionagem britânica testou LSD em militares, diz jornal

Londres – O serviço de espionagem britânico MI6 fez vários militares usarem LSD só para analisar seus poderes hipnóticos uma década antes de esta substância alucinógena se popularizar entre os hippies.

Segundo informa neste sábado o jornal The Guardian, a intenção dos serviços de espionagem do Reino Unido era descobrir se o LSD podia ser usado como uma “droga da verdade”, para fazer os detidos falarem durante os interrogatórios.

Em meados dos anos 50, o MI6 aplicou LSD em pelo menos três militares britânicos sem que eles soubessem, uma vez que pensavam que estavam recebendo um tipo de remédio para curar resfriado.

Um deles, Eric Gow, acaba de receber a confirmação oficial de que os serviços de espionagem lhe deram LSD em um copo de vinho quando tinha 19 anos e era técnico de rádio da Royal Navy, em 1954.

Outro militar, Don Webb, tomou o ácido em 1953, quando também tinha 19 anos, e imediatamente viu “como as paredes derretiam” e “como apareciam fendas nos rostos das pessoas”. Segundo declarações dele à publicação, os olhos das pessoas “caíam por cima das bochechas, como os rostos de Salvador Dalí”.

O advogado de ambos os militares, Alan Care, pediu ao MI6 que divulgue todos os documentos relacionados a este caso. Além disso, ameaçou entrar com uma ação na Justiça.

“Estes homens foram claramente enganados e submetidos a testes imorais de LSD”, afirmou o advogado.

Segundo o The Guardian, os experimentos foram suspensos pelo MI6 porque seus responsáveis temiam que o ácido causasse tendências suicidas.

Em meados dos anos 50, a CIA (agência central de inteligência americana) também aplicou LSD em vários indivíduos, como meio de testar uma forma de controlar as pessoas e fazer frente aos avanços soviéticos nas técnicas de lavagem cerebral.

Fonte: EFE