Exagero na ingestão de álcool tem danos graves

O álcool costuma ser responsável por 50% das internações em pronto-atendimento de hospitais, causando danos ainda maiores em pessoas que não estão acostumadas a beber e que, durante o carnaval, exageram na dose. O consumo elevado pode até provocar uma pancreatite, expondo o paciente ao risco de morte. O ideal é que os foliões limitem a ingestão de álcool, intercalando as doses de bebida com água e sucos – recomenda o médico João Geraldo Simões Houly, chefe do Pronto-Atendimento do Hospital Santa Paula, em matéria publicada pelo site Feminíssima.

A melhor maneira de evitar aquela terrível sensação de enjôo, dor de cabeça e boca amarga do day-after é não beber. Mas se isso for impossível, é recomendável que as pessoas tomem algumas precauções para que a sua comemoração não termine em arrependimento.

Promessas, simpatias, comprimidos ou colherzinhas disso ou daquilo antes de beber não farão efeito se houver exagero. O segredo mesmo é beber com moderação para evitar os efeitos nocivos do álcool no organismo.

Um bom começo é não beber de estômago vazio: dessa forma, o corpo absorve o álcool mais lentamente, evitando que a bebida “suba rápido” à cabeça. Então, vale uma boa refeição ou um sanduíche antes da primeira dose.

Muito líquido antes, durante e depois. Um dos principais efeitos do álcool é a desidratação do organismo. Por isso, é importantíssimo ingerir bastante líquido antes, durante e depois, para ajudar a diluir a substância.

Se não teve jeito, a empolgação ultrapassou os limites do bom-senso, é aconselhável evitar a automedicação. Remédios para dor de cabeça e enxaqueca à base de ácido acetil salicílico, por exemplo, poderão desencadear um mal maior, caso o paciente sofra de alguma doença não compatível com a substância, como a dengue, afirma João Geraldo. O ideal é dirigir-se para o primeiro hospital, onde especialistas farão um diagnóstico e prescreverão o tratamento adequado.

Fonte: JM Online