Mulher sofre mais os efeitos do álcool

Além da dependência física e psicológica, o álcool provoca doenças sérias como a cirrose hepática, miocardite alcoólica e a perda da memória, dificuldade de concentração e poder de raciocínio com o enfraquecimento ou morte dos neurônios.

O médico Renerys Pinheiro explica que o álcool é uma substância que afeta todo o organismo, além de órgãos vitais como o fígado, coração e cérebro. O efeito na mulher é ainda mais devastador que no homem. Segundo ele, por dois motivos. Primeiro porque a massa corporal da mulher é menor que a do homem e depois porque elas são mais sensíveis à substância.

?Bebendo a mesma quantidade que um homem, a mulher tem o dobro de risco de ser acometida por um desses males?, alerta o médico, que lida diariamente com esse tipo de problema no Pronto Socorro e no Hospital Geral de Roraima.

O risco também é alto entre os filhos de pais alcoólatras. Por causa da herança genética, Renerys afirma que eles devem evitar totalmente a bebida.

O álcool também é um perigo para os adolescentes, que ainda estão em processo de formação da personalidade e não tem autonomia em suas escolhas. ?Conheci um garoto de doze anos que morreu há poucos meses. Ele começou a beber aos seis anos de idade, junto com o pai. O álcool é uma droga que não deve ser tolerada pelos pais?, alerta.

A Secretaria de Saúde não dispõe de dados sobre o alcoolismo no Estado, mas o médico considera absurdo o número de pessoas que morrem em decorrência do consumo excessivo do álcool.

O médico não é contra a ingestão moderada do álcool. Diz que tomar até duas garrafas grandes de cerveja no final de semana não prejudica a saúde. Mas qualquer dose acima disso já é arriscado. Quem bebe todos os dias, mesmo que seja só uma latinha, já é considerado alcoólatra. (L.G.)

Fonte: Folha de Boa Vista